fbpx
Sem categoria
Sindicatos de Cabo Frio usam greve dos servidores para atacar Reforma da Previdência e Prefeitura não assume culpa nos atrasos dos salários

Sindicatos de Cabo Frio promovem desinformação sobre Reforma da Previdência, usam atrasos de salários para atacar a pauta e Prefeitura atribui atrasos que se repetem todos os anos ao ambiente econômico

12/06/2019 14h08

Em assembleia conjunta realizada na noite desta terça-feira (11), os servidores de Cabo Frio resolveram pela greve da categoria, a qual começará na próxima segunda-feira (17). A reunião contou com representantes do Sindicato dos Servidores Municiapis (SINDICAF), Sindicato dos Servidores da Saúde (SINDSAÚDE), Associação dos Guardas Municipais (AGCMCF) e Associação dos Fiscais Municipais (AFM). E cumprindo o antigo histórico de serviço a pautas da esquerda, os sindicatos deram um jeito de juntar a uma pauta tão justa, como é a luta pelo pagamento dos salários dos servidores, a desinformação sobre a Reforma da Previdência e já incluíram a luta contra a mesma como objetivo da greve.

O ocorrido foi que na segunda-feira (10), o Secretário de Fazenda, Antônio Carlos, havia recebido os servidores e informou que ele mesmo, junto ao Prefeito Adriano, estivera em Brasília e conseguiram recursos federais, previstos para chegarem ainda esse mês para os cofres de Cabo Frio. Segundo a administração municipal, com esse valor será possível quitar os salários até o final do ano. A previsão para o depósito é até o dia 19. Entretanto, a causa destes atrasos, os quais já vem sendo passados de governo para governo na cidade, a Prefeitura jogou na conta do cenário econômico do Estado. Não houve nenhum discurso com tom de meia culpa, no uso indevido do dinheiro público, por meio de uma péssima administração que vem sendo feita pelo prefeito Adriano Moreno. Situações bizarras do mal uso das verbas do Município têm sido denunciadas por ativistas, chegando o prefeito a responder um processo de impeachment, mesmo com uma câmara de vereadores em sua maioria omissa.

No caso de os profissionais de educação, os mesmos já haviam entrado em greve neste terça-feira (11). Os grevistas realizaram um ato na Praça Porto Rocha e depois seguiram para a Secretaria da Fazendo. Contudo, não conseguindo falar com o secretário da pasta, a categoria agendou um encontro com o Prefeito, dia 24 de junho. O Sindicato dos Profissionais da Educação anunciou uma nova assembleia, quinta-feira (13), pela qual serão definidos os rumos da paralisação.

*Contém informações do portal Clique Diário