fbpx
Rio de Janeiro
Sérgio Cabral assume que recebia propina e começa a abrir o bico

“Gente, eu tô muito aliviado, sabia? seja o tempo que eu passar na cadeia”, afirmou o ex-governador

26/02/2019 10h13

Pela primeira vez, Sérgio Cabral assumiu que recebia propina. O depoimento foi feito ao Ministério Público, onde relatou que estava se sentindo aliviado por assumir de uma vez que recebia propina.

“Gente, eu tô muito aliviado, sabia? E quero continuar ficando aliviado, seja o tempo que eu passar na cadeia”, afirmou o ex-governador.

Cabral também disse que os esquemas aconteciam desde o seu primeiro ano de mandato, em 2007. Segundo ele, Pezão recebia dinheiro dentro do Palácio Guanabara.

“Eu tirava o meu proveito nos meus combinados. Eu quero x%, 2%, 3% da obra e o Régis fazia o acordo, se beneficiava também dessa caixa única aqui”, disse o ex-governador.

No depoimento, Cabral citou pelo ao menos 4 casos em que houve irregularidades:

1 – Maracanã – Segundo ele, a Odebrecht pagou propina por meio de serviços superfaturados ao escritório de advocacia de Régis Fichtner;

2 – Linha 4 do metrô – O ex-governador afirmou que Régis recebeu cerca de 5 milhões em propina;

3 – Porto do Açu – Sérgio Cabral assumiu que recebeu 16 milhões de dólares da empresa de Eike Batista;

4 – Propinas a Fichtner – Cabral disse que o pagamento de indenização à empresa Automoledo, da família de Carlos Osório houve pagamento de propina para ele e para Régis Fichtner.

Coordenador estadual do MBL no Rio de Janeiro, Estudante de Gestão Pública e defensor da Vida, liberdade e propriedade.