fbpx
Rio de Janeiro
MBL vence Crivella e grupos de esquerda

Crivella retirou o projeto depois de pressão do MBL, que apelidou o PL de “rouanet municipal”

20/02/2019 17h56

Por três dias o tema de debate público na capital do Rio de Janeiro foi pautado pelo MBL.

Desde de que soube do projeto apresentado pelo prefeito Crivella, o grupo de liberais buscou concentrar forças no combate ao projeto, apelidado carinhosamente de “rouanet municipal”. Referência à polêmica lei que favorece artistas e manifestações políticas de afronta à maioria da população notavelmente conservadora.

Com forte apoio do vereador Leandro Lyra (Novo), Renato Borges (coordenador municipal do MBL) e Zéma (coordenador estadual do MBL) estiveram presentes na tarde de ontem nas galerias durante a manifestação, combatendo fortemente quem votava favorável ao projeto. Um trunfo do movimento foi direcionar o discurso ao fato de o projeto conter 7 referências a ideologia de gênero.

Depois de ofensas proferidas ao grupo, vereador chamando militante do movimento para agressão física, ativistas impedidos de entrar e autoritarismo por parte dos seguranças da casa, os que se manifestaram conseguiram uma vitória de primeiro round e a votação foi passada para o dia de hoje.

O MBL comemorou a vitória parcial e já se movimentava para maior pressão durante a sessão desta tarde. Em paralelo o vereador Leandro Lyra (Novo) colhia assinaturas de parlamentares para propor em emenda a retirada da parte mais importante do projeto.

O vereador conseguiu colher todas as assinaturas.

Depois de grande proporção na internet, o trabalho do movimento na casa e o sucesso da articulação de Lyra na câmara, Crivella anunciou que após o massacre do primeiro round, estava batendo três vezes no chão do ringue em ato de desistência (o projeto foi retirado).

Fizemos contato com o coordenador e representante do MBL na capital do Rio. Renato Borges:

“O impacto da nossa pressão, seja via redes sociais, seja ocupando as galerias durante as sessões plenárias, é enorme. Muito maior do que eu mesmo imaginava. Conversando com vereadores e assessores, fica claro: nós deixamos nossos opositores atordoados. Teve vereador se atrapalhando na hora de falar, pegando o PL para ler na hora; teve vereador ameaçando militante nosso de agressão física; teve vereador lendo meme nosso em voz alta no plenário e nos acusando de fake news. Enfim, teve de tudo nesses últimos dias. A atuação do MBL Rio, ao lado da presença imprescindível do vereador Leandro Lyra, fez toda a diferença. Mais do que isso, eu diria que foi determinante. Não à toa, um projeto, cuja aprovação era dada como certa, foi barrado, com o Prefeito mandando retirá-lo da Casa. Vitória nossa. Nossa militância e, sobretudo, o vereador Leandro Lyra, estão mais do que de parabéns.”

Coordenador estadual do MBL no Rio de Janeiro, Estudante de Gestão Pública e defensor da Vida, liberdade e propriedade.