fbpx
Rio de Janeiro
Barragens em estado de alerta no RJ tem prazo de 90 dias para levantamentos

As barragens localizadas em Nilópolis, Região dos Lagos e Cachoeira de Macacu são as mais preocupantes.

07/02/2019 12h41

Na última quarta(06), em cerimônia de condecoração de 80 Bombeiros do Rio de Janeiro, os quais atuaram em buscas e salvamentos na cidade de Brumadinho, o governador Witzel afirmou que no prazo de 90 dias será divulgado, pela Secretária de Estado do Ambiente (SEA), um relatório sobre a situação das barragens no Rio.

Segundo o Governador, as vistorias acontecerão nas próximas semanas e serão administradas pelo Instituto Estadual do Ambiente (Inea) e por membros da SEA. Para a ação também será feita uma parceria destes órgãos com integrantes da Secretaria de Estado e Defesa Civil (SEDEC) e do Departamento de Recurso Minerais.


Os estudos incluirão as sete barragens consideradas prioritárias pela Agência Nacional de Águas (ANA). No documento, a Agência registra que há a possibilidade de essas barragens causarem mortes e grandes impactos ambientais, sociais e econômicos, caso aconteça rompimento ou mesmo vazamento. Considerando ainda que das sete, as más condições de conservação fazem com que três sejam avaliadas como de alto risco (CRI) para acidentes: Gericinó (Nilópolis), Lagoa Jaturnaíba (Região dos Lagos) e Cachoeira de Macacu Bebidas S/A.


No Estado do Rio de Janeiro, aproximadamente 240 mil pessoas vivem no entorno de barragens. Além do risco a vidas, uma emergência afetaria o fornecimento de água para oito milhões de moradores do Estado. É importante ressaltar ainda, que das 29 barragens no Estado sob responsabilidade de fiscalização do INEA, apenas dez estão enquadradas na Política Nacional de Segurança de Barragens pelo seu porte ou localização. De acordo com O Globo, 21 delas sequer foram classificadas quando ao grau de risco.


As Políticas de Segurança de Barragens foram regulamentadas em dezembro do ano passado pela Resolução INEA n°165/2018. E essa resolução deu o prazo de 90 dias para os empreendedores para enviarem os documentos de adequação de suas estruturas às normas vigentes e prazo de um ano para elaborarem seus Planos de Segurança de Barragens. “Nos casos extremos, a possibilidade de remoção dos moradores é algo considerado pelas autoridades – embora não esteja em discussão no momento”, disse o governador, afirmando ainda, que não há nenhum risco no Estado do Rio de Janeiro, entretanto, segundo o mesmo, não deixa de haver preocupação oriunda do que vem acontecendo em Minas Gerais. “Espero e tenho certeza que aqui não haverá nenhuma tragédia”, afirmou Witzel.