Prefeitura pode pagar até R$2 bilhões a mais de subsídios para a SPTrans
Podendo chegar em até R$4,2 bilhões, este valor pode ser o maior modelo de concessão da história, mesmo com a diminuição de cerca de 40% total de passageiros durante a pandemia

A Prefeitura de São Paulo recebeu uma solicitação da SPTrans de R$ 2,02 bilhões para o pagamento de subsídios para as empresas de ônibus. A solicitação foi realizada no mês de março, com a justificativa, por parte da SPTrans, que este alto valor é necessário para possibilitar a manutenção da tarifa de ônibus e continuar com os programas de gratuidade que hoje estão em vigência. 

O presidente da SPTrans, Valdemar Gomes de Melo, afirma que o repasse aprovado inicialmente de R$2,25 bilhões, não é suficiente para o repasse às empresas de ônibus da cidade. Esse valor é utilizado para cobrir os subsídios deste ano. 

Com a adição do novo valor solicitado, as despesas com subsídios podem chegar a R$4,2 bilhões neste ano e, caso aprovada, este pode ser o maior valor da história da cidade de São Paulo em modelo de repasses.

Segundo a própria SPTrans, a arrecadação proveniente do pagamento de passagens pode chegar a R$4,57 bilhões, mas as despesas do sistema de transporte municipal chegarão a R$8,8 bilhões, sendo assim necessário um complemento ao sistema de transportes. Ainda é utilizado como justificativa a baixa no fluxo de passageiros, que caiu cerca de 40% durante a pandemia. 

A SPTrans também afirma, que o subsídio é necessário para manter a tarifa de transporte em um nível que gere pouco impacto financeiro na população. Por meio de nota, a empresa afirma que sem esse repasse o valor das passagens na capital paulista seria de R$6,52.

Outra alegação feita pela empresa é que, durante a pandemia, a prefeitura decidiu ter uma oferta de frota de ônibus maior que a demanda de passageiros, para evitar a superlotações no sistema público, com objetivo final de diminuir o número de casos de infecção pelo coronavírus, provenientes do contato dentro do sistema de transporte público. 

O secretário de governo da prefeitura da São Paulo, Rubens Rizek, determinou a adoção de algumas medidas com o intuito de aumentar as receitas das empresas. Dentre as medidas, podemos citar a redução na frota de ônibus além da manutenção da frota parada. O secretário também solicitou que a SPTrans inicie estudos técnicos e jurídicos para verificar se as medidas são possíveis e viáveis. 

Esta é uma situação de extrema delicadeza, pois é um valor extremamente alto de subsídios solicitados pela SPTrans financiados pela população paulistana. É necessário que os estudos sejam feitos e que se chegue a melhor solução possível.

Contém informações do G1.

Revisora: Larisse Carvalho.

Você está sendo roubado! O sistema usa o seu dinheiro, abusa de privilégios e cria leis para se blindar. O MBL vai na contramão desse sistema, lutando contra o Foro Privilegiado, Fundão e na defesa da prisão em segunda Instância e reformas. A batalha é desequilibrada, nós só podemos contar com você. Doe para o MBL clicando aqui.
continua em outra matéria