fbpx
Polícia Federal
Vaza Jato: PF investiga comparsa de “Vermelho” que vive em Dublin

PF investiga comparsa do hacker que invadiu os celulares de integrantes da força-tarefa da Lava Jato.

02/12/2019 20h37

De acordo com informações do Antagonista, um “novo elemento” ligado ao hacker-estelionatário Walter Delgatti Neto, conhecido como “Vermelho” – responsável pelos crimes cibernéticos cometidos contra membros da Operação Lava Jato -, surgiu no horizonte das investigações da Polícia Federal. Trata-se do programador Rafael Felipe Gibin, que hoje vive em Dublin, Irlanda.

O nome de Gibin aparece na ficha criminal de Delgatti referente a uma investigação de 2017 que visava apurar o envolvimento de Vermelho em crimes de estelionato via internet. Em um dos apontamentos, a PF menciona uma outra prisão do hacker, ocorrida em 2013, por uso de documento falso. “Durante a abordagem, estava em companhia dos comparsas Gustavo Henrique Elias Santos e Rafael Felipe Gibi.”

O outro elemento citado, Gustavo Henrique, conhecido como “DJ”, é um dos investigados da Operação Spoofing, que apura a invasão dos celulares dos integrantes da força-tarefa da Lava Jato. Ele e a namorada, Suelen Priscila de Oliveira, foram presos pela PF por envolvimento em transações suspeitas com Vermelho.

Quando foram deflagradas as primeiras prisões da Spoofing, Gibin já havia deixado o País, em abril, rumo ao território irlandês. Conforme apurado, estaria trabalhando em uma empresa chamada Fusioneer, especializada em desenvolvimento de softwares. Ele foi embora deixando para trás um inquérito policial na 3ª Vara Criminal de Araraquara, cujo conteúdo está sob sigilo, uma execução fiscal na 2ª Vara Criminal da mesma Comarca, além de outro processo no Tribunal de Justiça de São Paulo por posse de drogas.

Nas redes sociais, o programador mantém poucas postagens. No Twitter, compartilhou uma mensagem de Glenn Greenwald, em 29 de julho – pouco mais de um mês depois da primeira reportagem do site The Intercept com o conteúdo das mensagens obtidas de forma criminosa. Logo após as prisões dos comparsas, Gibin fechou seu perfil no Twitter e desativou o Facebook.

Fonte: O Antagonista.

Advogada. Apaixonada pelo direito ambiental. Viciada em política. Humilde - e levemente sarcástica - proprietária do Blog da Azedinha.