ALESP
Rubinho Nunes, líder do MBL, pede a suspensão de R$ 10 mi em bônus de Natal na Alesp

Mais um privilégio pelo qual você paga a conta.

14/12/2019 11h04

O coordenador nacional do Movimento Brasil Livre (MBL), Rubinho Nunes, protocolou o pedido de suspensão do bônus de Natal concedido aos funcionários da Alesp (Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo).

Ao todo, são beneficiados os 3.266 funcionários da Assembléia, cada um recebendo R$ 3.100,00 de bônus no vale-alimentação, o que representa mais de R$ 10 milhões. Cabe ressaltar que os servidores públicos e comissionados receberiam o bônus, enquanto os deputados, que recebem R$ 25,3 mil de salário não tem “direito” ao extra natalino.

Rubinho falou sobre o pedido para o MBL News:

“É completamente inadmissível a ALESP gastar R$10 milhões com bônus de R$3.100,00 apenas porque a Mesa quis. Não há previsão legal, fere o princípio da legalidade e da moralidade. O trabalhador ganha 1 salário mínimo por mês e suporta uma absurda carga tributária para pagar a farra de marajás do serviço público. É inaceitável!”

Qual é a sua opinião sobre o gordo bônus de Natal fornecido pela Alesp? É justo que todos os contribuintes do estado de São Paulo paguem por mais este privilégio?

Deixe o seu comentário.

Leia também:

Liberal sem paciência para extremos. Críticas e afins: @maiarapiva no Twitter.