“Receita não pode ser convertida numa Gestapo”, diz Gilmar Mendes após quebra de sigilo

Receita Federal investiga

 9 de fevereiro de 2019 | 10h46
Por Cauê Del Valle

Em entrevista ao Estadão/Broadcast nesta sexta-feira, 08, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, fez uma polêmica declaração após quebra de sigilo realizada pela Receita Federal, que coloca o ministro sob suspeita de lavagem de dinheiro e ocultação patrimonial.

Fazendo referência à polícia secreta da Alemanha nazista, o ministro comentou o episódio.

“A Receita não pode ser convertida numa Gestapo ou num organismo de pistolagem de juízes e promotores. Agora, se eles fazem isso com ministro do STF, o que não estarão fazendo com o cidadão comum?”, disse o ministro.

Mendes solicitou a intervenção do presidente do STF, ministro Dias Toffoli, que acionou o ministro da Economia, Paulo Guedes, à procuradora-geral da República, Raquel Dodge, e o secretário da Receita Federal, Marcos Cintra, para que eles adotassem “providências cabíveis” no caso envolvendo Gilmar Mendes e seus familiares.

Procurada, a assessoria de imprensa da Receita Federal disse que não comentaria as declarações do ministro.