Coronavírus
Proteger os idosos abrindo lotéricas e liberando cultos religiosos?

O contrassenso não pode ser ignorado.

26/03/2020 12h05

A decisão do presidente Jair Bolsonaro que visa a abertura de todas as lotéricas do país e a persistência em garantir a realização de cultos religiosos presenciais andam na contramão do próprio discurso do presidente: precisamos proteger os velhinhos.

Tanto as celebrações religiosas como as casas lotéricas são locais muito frequentados pelos idosos, mas esses não foram os erros mais graves de Bolsonaro neste contexto: o erro mais grave foi o exemplo dado aos demais idosos.

Aos 65 anos, Bolsonaro passou por consecutivas cirurgias desde o trágico atentando contra sua vida em 2018, mas prefere ignorar os riscos da pandemia do novo coronavírus (Covid-19) e pinta um autorretrato de invencível, enaltecendo seu “histórico de atleta” – ainda que atletas pelo mundo todo tenham padecido com a contaminação, e tratando a doença que já ceifou 22.165 vidas como uma mera “gripezinha”.

A pergunta que resta é: o que impede os demais idosos do Brasil, que veem o presidente como uma figura infalível, de mimetizarem sua postura e se aventurarem pelas ruas, arriscando suas vidas?

Liberal sem paciência para extremos. Críticas e afins: @maiarapiva no Twitter.