fbpx
Sem Categoria
Mitomaníaca? Confira as 4 mentiras mais bizarras de Patrícia Lélis

Patrícia já acumula um currículo de sandices envolvendo personalidades políticas

14/05/2019 20h12

Ainda que bem jovem e sem nunca ter ocupado algum cargo de destaque na política (ou na militância) nacional, Patrícia Lélis já é um nome bastante comentado nesse nicho – sobretudo nas redes sociais. A jornalista de 25 anos, contudo, é conhecida por seu histórico de mentiras absurdas contadas à mídia.

Segundo um laudo feito por um psicóloga à Polícia Civil de São Paulo, Lelis sofre de um transtorno de personalidade chamado de “Mitomania”, o qual faz com a que a pessoa minta compulsivamente. Não se sabe, contudo, se a moça acredita nas próprias mentiras, ou se realmente não se sente envergonhada em inventar histórias bizarras envolvendo personalidades políticas apenas para chamar atenção. Separamos aqui as 5 maiores mentiras e polêmicas inventadas por Patrícia:

1. Tentativa de estupro por Marco Feliciano

Patrícia Lélis e Marco Feliciano. Foto reprodução

O primeiro grande escândalo envolvendo Patrícia Lélis foi quando a brasiliense acusou o deputado Marco Feliciano de tentativa de estupro, além de ter dito que seu assessor, Talma Bauer, havia tentado mantê-la em cárcere privado. Segundo Patrícia, o pastor teria, também, oferecido à jovem 15 mil reais por mês para que ela fosse sua amante. O parlamentar nega o envolvimento com a jornalista e afirma que conversou com a jovem pouquíssimas vezes. Foi considerado pela polícia que não haviam provas conclusivas sobre o caso.

2. Namoro com Eduardo Bolsonaro

Mais recentemente, em janeiro desse ano, a brasiliense voltou a alegar que havia namorado Eduardo Bolsonaro. Ela escreveu em uma rede social de Eduardo: “Foram 3 anos e 8 meses em um relacionamento abusivo. Eu estou percebendo que tudo na vida evolui, menos você”. Ele negou o caso afirmando que sequer “já segurou a mão dessa pessoa”. Lelis já havia prestado queixa contra o senador, em 2017, alegando ser sido “ameaçada”.


3. Aborto pago por Eduardo Bolsonaro

Ainda envolvendo Eduardo, Patrícia chegou ao extremo de inventar que havia sido estuprada e que eleteria pagado para que ela realizasse um aborto. Em áudios vazados, Patrícia fala que o suposto caso de estupro seria julgado pelo STF, e alega ser amiga íntima de ministros do Supremo, como Janot e Carmen Lúcia. Nos mesmos áudios, a jovem afirma que realizou o procedimento abortivo, acompanhada de Eduardo, no final de 2015, mas que não sabe se a clínica ainda existe. Maluca.

4. Gravidez e vida nos EUA

Atualmente, Patrícia vive no exterior e, até o começo deste mês, estava fora da mídia. Quando, então, a jovem começou a postar fotos nas quais, supostamente, ostentava uma vida de luxo. A moça afirmou que estaria fazendo pós-graduação, que estava casada e que havia tido um filho. Lélis passou dos limites quando utilizou fotos de um bebê, filho de outra pessoa, para “provar” sua maternidade. A jovem foi parar nos trending topics do Twitter quando internautas desmascararam suas mentiras, após encontrarem fotos da criança em outro instagram. Além disso, uma jornalista averiguou que Patrícia sequer está matriculada na universidade americana citada pela moça.

Patrícia pede desculpas a Lula por ter “apoiado um golpe”

Essas são só algumas das insanidades dessa moça. Patrícia tem um currículo vasto de sandices e incoerências. Lélis surgiu no meio político como uma estudante de jornalismo, em Brasília, cerca de 4 anos atrás. Na época, a jornalista defendia pautas de extrema direita e era próxima de partidos religiosos.

Hoje, ela diz que mudou seus conceitos e, por isso, defende pautas progressistas e partidos de esquerda. Por fim, a redação deste blog entende que Patrícia é uma pessoa com sérios distúrbios psicológicos, os quais precisam ser devidamente tratados; contudo, não há como levar suas insanidades a sério.

Entusiasta política e acadêmica de Engenharia Química (UFPR) nas horas vagas; liberal na economia e nos costumes. Diretamente da República de Curitiba.