Economia
Ministério da Economia planeja reformulação do Minha Casa, Minha Vida

O foco será manter a população em áreas urbanas

15/05/2019 14h05

Secretário do Ministério de Economia, Diogo Mac Cord (Foto: Reprodução)

Segundo o secretário de Desenvolvimento da Infraestrutura do Ministério da Economia, Diogo Mac Cord, a intenção da reestruturação do programa é sanar um grande problema do modelo atual: a localização das casas pertencentes ao Minha Casa, Minha vida, que costumam ficar muito longe do trabalho dos moradores. A solução seria a doação de terrenos da União em regiões centrais, associada ao financiamento dos incorporadores pelo FGTS. Unidades de serviço e comerciais também serão permitidas no espaço.

“Estamos falando de megaempreendimentos, de R$ 200 milhões a R$ 300 milhões, dentro da cidade. A gente coloca pessoas de diferentes faixas de renda, coloca espaço para comércio, geração de serviços, em vez de serem só casinhas uma do lado da outra no meio do nada”, afirmou Mac Cord.

A ideia é implementar o novo programa de forma gradual. “Nosso slogan é devolver a cidade à população brasileira. O Minha Casa, Minha Vida fracassou miseravelmente. É uma reformulação completa do Minha Casa, Minha Vida”, disse o secretário.

Também ocorrerão mudanças para o morador da unidade. Segundo Mac Cord, “ele vai pagar um aluguel muito baixo. Funciona como um leasing, que no fim do período reverte em propriedade. Poderá ter mecanismo de quitação antecipada. O que não posso é admitir uma inadimplência de 50%, como ocorre hoje na faixa 1 do Minha Casa, Minha Vida”.

Parece promissor.

As informações são da Valor.

Biomédica, especialista em Genética e entusiasta política. Coordenadora do MBL Londrina.