Violência
Iraniano diz ter novos detalhes sobre Adélio Bispo e atentado a Bolsonaro

A Polícia ouviu novas testemunhas nesta tarde.

31/10/2019 17h51

Nesta quinta-feira (31/10), a Polícia Federal realizou novos depoimentos na penitenciária de segurança máxima de Campo Grande, Mato Grosso do Sul, onde Adélio Bispo está preso, no âmbito da investigação sobre o atentado à vida de Jair Bolsonaro, durante o período eleitoral do ano passado.

Foram ouvidos alguns detentos e funcionários que tiveram contato com o autor da facada. Dentre eles, ouviu-se o iraniano Farhad Marvizi, que admitiu ter enviado cartas para o presidente da República e outras autoridades, contando ter pistas sobre quem seriam os mandantes da facada.

Condenado a 20 anos de prisão por ordenar o atentado contra um auditor fiscal da Receita, Marvizi disse que teve contato com Adélio durante um tratamento médico. Nesse período, o iraniano afirmou ter ouvido que o esfaqueador contou com a ajuda de uma facção criminosa e de políticos interessados na morte de Bolsonaro. Para revelar todos os detalhes, contudo, a testemunha exige um perdão judicial, pois teme continuar na prisão e ser morto.

A tentativa de colaboração de Marvizi é tratada com ressalva pelos investigadores, porque ele é considerado uma fonte de informação de “baixíssima credibilidade”.

Fonte: Veja.

Entusiasta política e acadêmica de Engenharia Química (UFPR) nas horas vagas; liberal na economia e nos costumes. Diretamente da República de Curitiba.