fbpx
Esquerda
Hipocrisia ou ignorância? Querem verba, mas não querem reformas

Não da para ser contra o contingenciamento e a reforma ao mesmo tempo.

15/05/2019 09h02

Nesta quarta-feira (15) diversas universidades do Brasil decidiram realizar uma paralisação contra o contingenciamento dos gastos na área de educação. Entretanto, o curioso é que entre os que lutam contra a medida, encontrarmos militantes contrários à reforma da Previdência.

Atualmente, a Previdência já consome três vezes mais que saúde, educação e segurança juntos. Só em relação ao gasto com universidades a disparidade fica em cerca de 16 vezes.

Como se sabe, os gastos previdenciários vêm crescendo por causa da mudança na pirâmide demográfica no Brasil, isto é, o país está se tornando uma nação mais idosa. Essa tendência não é passageira, é algo que tende a se perpetuar por décadas, assim os gastos previdenciários tendem a crescer ano a ano.

Sem a reforma, os cortes serão ainda maiores, já que os gastos previdenciários serão ainda maiores. O Brasil se mergulhará em um mar de recessão, hiperinflação e, sobretudo, pobreza.

Caso nada seja feito, o Brasil irá colapsar. Olhar para a Venezuela, realmente, é uma boa visão do que seremos sem uma reforma da Previdência.

O país já está sem dinheiro, o Governo Federal tenta com o Congresso conseguir um crédito de cerca de R$ 250 bilhões para pagar despesas correntes. Sem ele, aposentados e beneficiários de programas como o Bolsa Família terão seus benefícios em risco. Como o Congresso pode não liberar esse recurso, essa é uma boa motivação para o governo tentar cortar o que conseguir.

Estudante de ciências econômicas na Universidade de São Paulo e membro do movimento Neoiluminismo. Liberal convicto admirador da filosofia prática kantiana, economia ortodoxa, Hayek e história econômica institucional.