Nordeste » Operação Calvário » Paraíba
Governador nordestino teria recebido ‘mesada’ de R$ 120 mil, diz delatora

E a sujeira continua na Paraíba!

13/01/2020 17h01

A ex-secretária estadual de Administração do estado da Paraíba, Livânia Faria, presa na Operação Calvário, delatou sobre uma suposta mesada de R$ 120 mil ao governador João Azevedo (sem partido, ex-PSB) para pagar gastos pessoais e de sua campanha, em 2018. Segundo ela, João sabia que o dinheiro era de contratos da Saúde e o usou para bancar despesas de seus parentes.

“Após o afastamento dele para ser candidato, eu fui chamada pelo governador da época, Ricardo Coutinho, para que eu providenciasse um valor para ser repassado para o candidato, para o João Azevedo, para que ele pagasse as despesas de campanha, porque ele ia andar o Estado todo. E como não era secretário e não tinha salário, teria que se fazer com que ele se sustentasse”, contou ela.

“Aí eu fui e disse a ele: quanto é esse valor? Ele disse: entre 100, 150. Eu disse: 120 tá bom? Ele disse: É, tá bom. 120. Eu disse: ó, esse dinheiro só tem para sair da Cruz Vermelha, porque é o que a gente recebe mensal”, continuou.

“O que a gente fazia: separava o dinheiro, colocava no envelope e entregava a ele. Eu pessoalmente entreguei o dinheiro a ele. ‘Tá aqui, esse é o salário, aí você repassa’. Ele colocou dentro da pasta dele”, detalhou a delatora.

“Eu disse: João, eu vou informar uma coisa. Aqueles R$ 120 mil que você recebia mensalmente, que Deusdete recebia, foi a Cruz Vermelha que deu”, relatou ela. Questionado sobre o caso, João apenas afirmou que suas despesas “se deram de forma lícita e transparente”.

“Se terceiros se valeram desse pretexto para a prática de ilícitos, eles é que terão de responder”, disse a assesoria do governador. Ela ainda informou que “em face das medidas de combate à corrupção e do afastamento de secretários envolvidos na Operação Calvário, já se esperava que o governador poderia ser vítima de retaliação dos que foram afastados”.

Bacharelando em administração pela UFPB.