Sem Categoria
Governador da Bahia responde acusação de Bolsonaro

Rui Costa disse que o Governo baiano “não mantém laços de amizade” com bandidos.

16/02/2020 08h00

No começo da noite de ontem (15), o governador da Bahia, Rui Costa (PT), utilizou a sua conta oficial no twitter para responder às insinuações feitas mais cedo pelo presidente da República, Jair Bolsonaro. “Quem foi responsável pela morte do capitão Adriano foi a PM da Bahia, do PT. Precisa dizer mais alguma coisa?”, disse Bolsonaro a jornalistas.

Como resposta, Rui Costa escreveu que o Governo baiano “não mantém laços de amizade nem presta homenagens a bandidos nem procurados pela Justiça“, e que a Bahia não tolera milícias. Ele disse que seu Governo trabalha intensamente “para prevalecer a Lei e o Estado de Direito“. Sobre a ação policial em sua gestão, observou que a regra da PM é capturar os criminosos com vida, “mas se estes atiram contra pais e mães de família que representam a sociedade, os mesmos têm o direito de salvar suas próprias vidas, mesmo que os marginais mantenham laços de amizade com a Presidência“.

O “capitão” referido por Bolsonaro é o miliciano Adriano da Nóbrega, ex-capitão do Batalhão de Operações Especiais da Polícia Militar do Rio de Janeiro, e que chefiava o chamado Escritório do Crime – ligado às milícias. Ele já foi homenageado na Assembleia Legislativa carioca pelo filho do presidente, senador Flávio Bolsonaro, e familiares do miliciano já ocuparam cargos nos gabinetes dos Bolsonaro.

O ex-PM foi morto em confronto com a Polícia Militar da Bahia no último final de semana (09). A partir daí, muitas ilações já foram feitas sobre o caso, desde possível “queima de arquivo”, por conta do tamanho do efetivo policial enviado para sua captura, até sobre possíveis mandantes do assassinato. A esquerda acusa os Bolsonaro, que acusam a esquerda. O caso ainda está sendo investigado.

Advogada. Apaixonada pelo direito ambiental. Viciada em política. Humilde - e levemente sarcástica - proprietária do Blog da Azedinha.