Polícia » Racismo
Esposa do DJ Rennan da Penha acusa Itaú de racismo

Ainda foi chamada de laranja e debochada pelos funcionários.

31/01/2020 10h06

Lorena Vieira, esposa do DJ Rennan da Penha, afirma ter sido vitima de racismo em uma agência do Banco Itaú nesta quinta-feira. Após ser levada para uma delegacia, ela afirma que foi tratada com deboche por ser esposa do Dj.

O caso aconteceu na Zona Norte do Rio. Lorena teria ido à agência para desbloquear um cartão. Ela conta que funcionários do banco começaram a agir de forma estranha e suspeitaram de sua movimentação financeira.

“Eu fui ao banco tirar um dinheiro e desbloquear um cartão, porque perdi cartão e o outro não chegou na minha casa. Eu tive que ir lá buscar. Chegando lá, deu que estava bloqueado. Aí elas (as funcionárias) começaram a falar ‘ah, o banco pode achar que é fraude, que você é laranja’ e me deixaram lá esperando”, desabafa.

Segundo Lorena, sem receber motivos, acabou sendo levada para a delegacia.

“Elas (as funcionárias) estavam falando que ‘entrou uma quantidade de dinheiro e a gente não sabe de onde vem’. Eu fiquei sem entender. Eles começaram a cochichar, os funcionários do banco começaram a me olhar. Eu não estava entendendo. A funcionária falou para a gente esperar um pouco e saiu. Ela não voltou mais, quem voltou foi a Polícia Civil. Três policiais, falando para eu ir para a delegacia”, narrou ela.

Lorena afirmou que as funcionárias não tentaram entender o que estava acontecendo, antes de chamar a polícia, e ainda afirmaram que ela era uma fraude, laranja.

Após ser atuada, Lorena foi encaminhada para a 22ª Delegacia de Polícia Civil, na Penha.

Em nota, o Itaú se pronunciou sobre o caso. Veja:

“O Itaú Unibanco lamenta e se desculpa pelos transtornos causados a Lorena Vieira nesta quinta-feira, no Rio de Janeiro, e vem tentando contato com ela para resolver a situação. O Itaú Unibanco esclarece que o procedimento adotado na agência é padrão em casos de suspeita de fraude, e não tem qualquer relação com questões de raça ou gênero. O objetivo era proteger os recursos de Lorena de possível fraude, uma vez que já havia um bloqueio preventivo de sua conta corrente e era difícil identificá-la com o documento apresentado no caixa. O Itaú Unibanco acredita que toda forma de discriminação racial deve ser combatida”.

No entanto, o banco não explicou os motivos que o perfil de Lorena foi tratado como suspeito.

Por fim, no início da noite, Lorena foi ao seu Twitter desabafar sobre o ocorrido. Veja:

A #ItauRacista dominou os trending topics do Twitter.

Fonte: G1

Estudante de Engenharia Civil, corintiano, cristão SUD, um nerd apaixonado por cozinha, humor e muito conhecimento. Membro do MBL Brasília e um preguiçoso redator do MBL NEWS