Dilma passa vergonha ao explorar politicamente tragédia em Suzano

Ela ainda absurdamente indicou que o pacote anticrime pode de alguma maneira vir a colaborar com tais massacres

Dilma
 14 de março de 2019 | 9h41
Por Pedro Tomasia

Dilma Rousseff, aquela presidente que afundou o Brasil em uma recessão sem precedentes no país, mostrou toda sua inteligência ao tentar explorar politicamente o massacre de Suzano.

Ela argumentou no Twitter que o porte de arma tornaria os massacres cotidianos no país. “O porte de armas irrestrito e amplamente liberado a toda população vai dar instrumento para que o assassinato massivo se torne endêmico e cotidiano.”

Mas ao pior vem a seguir, quando ela demonstra ignorância em relação ao pacote anticrime do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro. “A lei anticrime do minisro [sic] Moro é o encontro marcado com tragédias como a de Suzano”, escreveu a ex-presidente.”

A petista somente esqueceu de ler que o pacote anticrime não guarda relação alguma com “porte de armas irrestrito e amplamente liberado a toda a população”.

“Trata-se da habitual má-fé petista, aliada à vontade de faturar com a tragédia.” afirmou O Antagonista sobre o caso.