Coronavírus » Destaque
Como se prevenir do coronavírus

Veja as recomendações de especialistas e do Ministério da Saúde evitar a propagação do vírus

18/03/2020 11h47

Vários países do mundo inteiro estão decretando estado de emergência, como EUA, Espanha e até estados e municípios brasileiros, como Rio de Janeiro e São Paulo.

Já são quase 204 mil casos confirmados pelo globo, chegando a mais de 8 mil mortos até o momento. No Brasil os casos positivos já estão em torno de 300 pessoas e as primeiras mortes já começam a aparecer.

A pior situação é da Itália, com mais de 31 mil casos e 2503 mortes. Os leitos e UTI’s não dão conta de todos infectado. O país conta com 318 mil leitos para cada 100 mil habitantes, enquanto o Brasil tem apenas 194 mil leitos por 100 mil habitantes.

De fato, estamos em um país que precisa se preocupar muito mais do que os outros, pois tem um dos menores números de leitos do mundo e as medidas de prevenção do Estado caminham mais lentamente. O Ministério da Saúde faz seu papel.

Não viemos aqui apenas mostrar como o caso do Brasil é especialmente perigoso. Se você está aqui e entende que o risco é real e precisa de prevenção, continue lendo, pois iremos apresentar as principais medidas a serem tomadas frente a essa pandemia.

Antes de tudo, você precisa saber quais são os sintomas de fato. Nosso especialista farmacêutico clínico e imunogeneticista, Warlen Miiller, nos apresenta quais são:

Sintomas

Os sinais e sintomas de infecção pelo novo coronavírus podem aparecer de dois a 14 dias após a exposição e podem incluir:
• Febre
• Tosse
• Falta de ar ou dificuldade em respirar

“A gravidade dos novos sintomas do coronavírus pode variar de muito leve a grave, até a morte. Embora a compreensão desta doença continue a crescer, a maioria das pessoas com doenças graves tem idade mais avançada ou teve outras condições médicas existentes significativas.

Isso é semelhante ao observado em pessoas que têm infecções graves por outras doenças respiratórias, como a gripe”.

Quando consultar um médico?

“Entre em contato com seu médico imediatamente se você tiver sintomas de infecção com o novo coronavírus e possivelmente tiver sido exposto ao vírus. Informe o seu médico se você viajou recentemente para o exterior.

Ligue para o seu médico com antecedência para informar sobre seus sintomas, viagens recentes e possível exposição antes de ir para a consulta”.

Higienização

Medidas do dia a dia que podemos tomar: essas medidas podem não ser o suficiente para conter o vírus, mas certamente o número de casos do positivos podem dobrar a cada três dias se não forem seguidas.

Cidades brasileiras como Brasília, RJ e SP já registram casos de transmissão comunitária, ou seja, não é só quem vem da Europa mais.

Para evite o contágio do vírus, o próprio Ministério da Saúde, chefiado por Luiz Henrique Mandetta, recomenda medidas básicas de higiene, como lavar as mãos (dedos, unhas, palma e dorso) com água e sabão, secando, de preferência, com papel toalha.

Além do sabão, álcool em gel também é essencial, que também serve para higienizar objetos como telefones, teclados, cadeiras, maçanetas etc. Para limpeza doméstica, o ideal é utilizar água sanitária para desinfetar superfícies, com uma fração de uma parte de água sanitária para 9 de água.

Usem lenços descartáveis para limpar a região nasal. Para tossir ou espirrar, use um lenço de papel e logo em seguida jogue-o no lixo.

É extremamente necessário evitar tocar os olhos, nariz e boca sem que as mãos estejam limpas. No caso de nariz e boca, o uso de máscaras pode ajudar a evitar o contato.

Para higienização de roupas e louças, recomenda-se que se use produtos próprios para cada um dos casos. Destacando que é importante separar roupas e roupas de cama de infectados (além de, claro, objetos pessoais deles). Caso não seja possível a higienização desses pertences de imediato, o melhor a se fazer é isolá-los em sacos de lixo plástico até que seja possível lavar.

Evite compartilhar pratos, copos, roupas de cama e outros utensílios domésticos se estiver doente. Não cumprimentar pessoas com beijos no rosto, aperto de mãos ou abraço.

Máscaras para idosos, mães que estão amamentando e pessoas diagnosticadas com coronavírus não pode ser visto como uma opção e sim como uma obrigação.

É fundamental abastecer em suas casas antecipadamente medicamentos para redução da febre, controle da tosse, como xaropes e pastilhas, além de medicamentos de uso contínuo.

Os produtos de higiene necessários para as medidas recomendadas aqui também devem ser armazenados com antecedência. Recomendamos que as compras devem ser feitas com antecedência, para evitar possíveis aglomerações em caso de expansão da pandemia no País.

Fique em casa longe do trabalho, da escola e das áreas públicas, se estiver doente.

E claro, faça o possível para não sair de casa, muito menos ficar perto de aglomerações de pessoas, a capacidade de transmissão do vírus é altíssima, portanto, todo cuidado é pouco.

Mas e se tiver alguém infectado em casa? Como fazer o isolamento domiciliar?

De acordo com a médica infectologista Roberta Schiavon, integrante da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), a primeira orientação é destinar um quarto e um banheiro para uso exclusivo da pessoa infectada ou com suspeita de infecção.

Nos casos de domicílios que não tenham mais de um quarto e mais de um banheiro, a recomendação é deixar o quarto para a pessoa suspeita. “Se a pessoa compartilha o quarto, o ideal é que quem não apresente sintomas durma na sala, por exemplo”, orienta Schiavon.

“Moradores de casas menores e com número maior de pessoas precisarão ter mais cuidados higiênicos quanto a espirro, tosse e compartilhamento de objetos”, alerta Renato Grinbaum infectologista e consultor da SBI.

Nos casos de salas compartilhadas ou casas com apenas um cômodo, pessoas infectadas e pessoas sem a doença não podem compartilhar o mesmo sofá ou colchão. “Se for possível, a recomendação é manter 2 metros de distância da pessoa infectada ou suspeita”, diz Schiavon, da SBI.

Como dividir o banheiro

Quando o banheiro é compartilhado, o paciente infectado ou com suspeita de estar infectado precisa desinfetar todas as superfícies usadas por ele: vaso sanitário, interruptores, maçaneta, descarga, box e regulador de temperatura do chuveiro, por exemplo.

Objetos que antes eram compartilhados, como pasta de dente, sabonete de pia e toalha de rosto devem passar a ser individuais. Também é necessário tirar a escova de dente da pessoa infectada ou com suspeita de infecção do mesmo recipiente das demais.

A limpeza de alguns móveis e objetos precisará ser feita diversas vezes ao dia e seguindo cuidados específicos: a pessoa que for limpar a casa precisa estar com máscara, luva, óculos e avental; todas as superfícies de contatos constantes devem ser limpas: pia, maçanetas, mesas, interruptores, assentos de sofá, cadeiras e vaso sanitário, torneiras, etc; sabão, álcool 70 e desinfetantes são eficientes para a limpeza; manter as lixeiras com tampas fechadas e usar saco fechado.

Observações finais:

Não tome IBUPROFENO, pois acelera a multiplicação do vírus.

Sem pânico; sem fake news. Fique em casa e mantenha-se informado com o MBL News e o site disponibilizado pelo MBL especialmente para combater a pandemia: mbl.org.br/corona

Professor de filosofia e diretor de jornalismo do MBL.