fbpx
Congresso Nacional
‘Bolsonaro criminalizou o parlamento’, diz líder do PSL na Câmara

O líder do PSL na Câmara, Delegado Waldir, criticou a postura de Bolsonaro com o Congresso

14/04/2019 10h53

Em entrevista ao Estadão, o líder do PSL na Câmara, Delegado Waldir, criticou as posturas de Jair Bolsonaro em relação ao Congresso e que caso a reforma da Previdência passe, será mérito do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, que seria um “primeiro ministro”, segundo o parlamentar.

“A reforma da Previdência não avança se o presidente quiser. Quem manda na reforma da previdência é o Rodrigo Maia, presidente da Câmara. O Rodrigo Maia é o primeiro ministro. Nós não temos o parlamentarismo, mas o primeiro ministro, neste momento, é o Rodrigo Maia.”

O deputado aproveitou também e criticou as influências de Olavo de Carvalho na Presidência, dizendo que Bolsonaro é “apaixonado pelas teses de Olavo de Carvalho”, e que isso enfraquece o governo.

“O grande atrito que existe hoje no governo, as caneladas do presidente, são influência desse filósofo Olavo de Carvalho. Tem que afastar a influência dele do governo. Quem tem que ter influência é o presidente. Ele não pode ser o palpiteiro de plantão”, disse Waldir.

Em relação aos atritos que o governo teve com o Congresso nas últimas semanas, o líder do PSL disse que Bolsonaro criminalizou o parlamento ao dizer que existe a “velha política” e a “nova política”

“Quando o presidente criou as expressões “velha política” e “nova política” ele criminalizou a conduta do parlamento.”

As informações são do Estadão.

PSL
Jornalista profissional, estudioso de política, economia e amante de automobilismo.