fbpx
Editorial
Augusto Nunes emite nota sobre agressão a Glenn Greenwald

Os jornalistas Augusto Nunes e Glenn Greenwald discutiram e se agrediram no Pânico

07/11/2019 20h58

Durante a manhã desta quinta-feira (07), os jornalistas Augusto Nunes e Glenn Greenwald começaram a discutir ao durante o programa Pânico, na Jovem Pan. A briga foi tão grave que resultou em agressão após ambos se xingarem de covarde.

Glenn começou a chamar Nunes de covarde, que após repetir algumas vezes a ofensa, Augusto desferiu um tapa na cara de Glenn e ambos começaram a se agredir até que os presentes no local separassem.

Ainda hoje, Nunes publicou uma nota sobre o caso em suas redes sociais. Leia:

“Já no início do programa Pânico desta quinta-feira, 7 de novembro, o convidado Glenn Greenwald voltou a acusar-me de ter recomendado à Justiça, num comentário em os Pingos nos Is, que lhe retirasse a guarda dos dois filhos. E pela terceira vez, agora pessoalmente, qualificou-me de ‘covarde’.

Em resposta, expliquei que ele não havia compreendido que meu comentário fora apenas uma ironia. Lembrei também a Glenn a gravidade da ofensa com que me atingira. Alheio aos sucessivos pedidos que lhe fiz, ele repetiu cinco vezes o insulto. ‘Covarde! Você é covarde!’

Até pensei em abandonar o estúdio. Mas entendi que essa atitude confirmaria o teor das agressões verbais que sofrera. E não resisti ao que me sugeriam a voz dos instintos e honra ferida.

Desde o começo da minha carreira pratico e recomendo que todos pratiquem o convívio dos contrários. Neste 5 de novembro, ao receber o Prêmio Comunique-se, reiterei a disposição de lutar para que seja encerrada a versão política do Fla-Flu que ocorre no brasil há alguns anos.

Lamento o ocorrido. E peço aos ouvintes, espectadores e leitores que evitem traduzir em atos físicos quaisquer discordâncias políticas, e mesmo a indignação provocada por insolências inaceitáveis.

Como disse na festa de premiação do Comunique-se, no meu mundo sempre será possível torcer pelo Fluminense no meio da torcida do Flamengo. Sem ofensas aos torcedores adversários.”

Professor de filosofia, jornalista e diretor do movimento Neoiluminismo. Entusiasta da filosofia, [geo]política, economia e literatura.