fbpx
Jair Bolsonaro
‘Até 31 de dezembro de 2026, eu assino’, diz Bolsonaro sobre prêmio a Chico Buarque

Premio é concedido pelo governo brasileiro e português.

09/10/2019 10h06

O presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL), sinalizou na terça-feira (08) que não deve assinar tão cedo o Prêmio Camões, principal troféu literário da língua portuguesa, concedido ao compositor Chico Buarque.

Ao chegar no Palácio da Alvorada, Bolsonaro primeiramente respondeu que seria “segredo” se firmaria o prêmio a Buarque. Depois disse que tem até 2026 para assinar o diploma, cuja cerimônia de entrega está prevista para abril de 2020.

“É segredo. Chico Buarque?”, disse. “Eu tenho prazo? Até 31 de dezembro de 2026, eu assino”, respondeu.

O valor total do prêmio é de € 100 mil (em torno de R$ 447,3 mil), e seu pagamento é dividido entre Brasil e Portugal. A parcela da condecoração que cabia ao governo brasileiro já foi depositada em junho. No entanto, o diploma ainda não foi assinado por Bolsonaro.

A assinatura rachou a cúpula do governo, para alguns a não assinatura representaria um constrangimento com o governo português, para outros seria um gesto contra o uso de recursos públicos em ações não prioritárias.

Informações da Folha de S. Paulo.

Estudante de ciências econômicas na Universidade de São Paulo e membro do movimento Neoiluminismo. Liberal convicto admirador da filosofia prática kantiana, economia ortodoxa, Hayek e história econômica institucional.