Política
Abusado! Lula pede adiamento de interrogatório a juiz para visitar o Papa

Lula também deve fazer uma viagem para a França, para receber o título de cidadão parisiense

04/02/2020 20h36

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva solicitou ao juiz federal Vallisney de Oliveira, da 10ª Vara Criminal Federal de Brasília, a suspensão do interrogatório na Operação Zelotes, que está agendado para o dia 11 de fevereiro. Ele justificou o pedido afirmando que terá uma audiência do Papa Francisco, no dia 13.

“Conforme se procedeu durante todo o tramitar do feito, o peticionário declara que não deixará de comparecer a nenhum ato judicial para o qual sua presença seja obrigatória”, afirmou a defesa de Lula.

Neste processo, o ex-presidente responde pelo crime de corrupção passiva, por ter supostamente participado da venda da Medida Provisória 471/2009. Segundo a acusação, Lula aceitou suborno para prorrogar incentivos fiscais para montadoras nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste. O caso faz parte das investigações da Operação Zelotes.

O presidente da Argentina, Alberto Fernandéz, disse que o Papa Francisco receberia Lula. O assunto surgiu enquanto o presidente e o Papa falavam sobre “lawfare”, termo que significa uso das leis para perseguição política ou comercial. A defesa de Lula alega que essa é a motivação por trás de seus processos.

“O Lula me pediu para ver o Papa. E eu pedi se ele podia receber o Lula. E ele me disse que ‘claro’ e que [o Lula] lhe escrevesse porque ele, com todo prazer, o receberá”, afirmou Fernandéz.

Em agosto de 2018, quatro meses após a prisão de Lula, o Papa Francisco mandou um bilhete ao petista escrito na capa de um livro, abençoando-o. Em maio deste ano, o pontífice mandou uma carta a Lula pedindo que ele não desanimasse: “O bem vencerá o mal, a verdade vencerá a mentira e a Salvação vencerá a condenação”, afirmou Francisco.

Lula também pretende fazer uma viagem para a França, para receber o título de cidadão parisiense, concedido pela prefeitura de Paris.

Advogado criminal, liberal clássico, pró-vida, pró-armas e pró-liberdade de expressão. "Não existe almoço grátis".