Segundo o presidente, cloroquina poderia ter evitado as 100 mil mortes
Bolsonaro volta a defender o uso de um medicamento sem evidências de eficácia

Em mais um de seus frequentes devaneios, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que a cloroquina poderia ter evitado a morte de 100 mil brasileiros pela Covid-19.

Ao lado do governador do Pará que está na mira da Polícia Federal, Helder Barbalho, Bolsonaro inaugurou uma obra em Belém e afirmou ser "prova viva" da eficácia da cloroquina.

"Destinamos a esse estado maravilhoso aqui, mesmo sem comprovação científica, mais de 400 mil unidades de cloroquina para tratamento precoce da população. Eu sou a prova viva que deu certo", disse o presidente.

"Muitos médicos defendem esse tratamento. E sabemos que mais de 100 mil pessoas morreram no Brasil, que, caso tivessem sido tratadas lá atrás com esse medicamento, poderiam [as perdas] dessas vidas terem sido evitadas. E mais ainda: aqueles que criticaram a hidroxicloroquina não apresentaram alternativas", afirmou Bolsonaro, defendendo novamente o indefensável.

Haja desespero para se livrar das doses de cloroquina, presidente. A saúde dos brasileiros, como sempre, em último lugar nas prioridades de Bolsonaro.

Contém informações da/o O Antagonista.
continua em outra matéria