Queiroz voltou à prisão por ter atuado 'arduamente' para adulterar provas
Ministro do STJ Félix Fischer ainda declarou que há fortes indícios de uma organização criminosa no antigo gabinete de Flávio Bolsonaro

O ministro do STJ (Superior Tribunal de Justiça) Félix Fischer, que decretou nova ordem de prisão contra o Fabrício Queiroz e sua mulher, Márcia Aguiar, afirmou, em sua decisão, que existem indícios de que o casal já articulava e trabalhava "arduamente, em todas as frentes, para impedir a produção de provas e/ou realizar a adulteração/destruição destas".

Fischer entendeu que "a única medida apropriada" para Fabrício Queiroz é a prisão preventiva.

Para o ministro, Queiroz teve sucesso na obstrução das investigações porque, de todos os assessores de Flávio envolvidos nas rachadinhas, apenas uma pessoa alvo de movimentações suspeitas prestou depoimento à polícia.

"Há diversos relatos sobre adulteração de folhas de ponto de servidores que estariam em atuação irregular na Alerj. As manobras acima transcritas, para impedir a própria localização/rastreamento pela polícia, saltam aos olhos", escreveu Fischer.

Indícios a respeito da existência de uma "verdadeira organização criminosa" foram mencionados pelo ministro. A organização possuía divisão de tarefas e certa estrutura hierárquica (os envolvidos eram comandados por uma pessoa designada como "anjo").

No que diz respeito à condição de saúde de Queiroz, Fischer afirmou que as provas sustentadas pela defesa dizem respeito à sua condição de saúde do passado, não a atual.

"Deve-se esclarecer que tais peças refletem estado de saúde pretérito, e não atual. Como dito, a documentação não dá conta de que o paciente atualmente enfrenta estado de saúde extremamente debilitado e de que eventual tratamento de saúde não poderia ser realizado na penitenciária ou respectivo hospital de custódia. Situação como um todo que, de qualquer forma, deveria ter sido debatida na origem, soberana na análise de fatos e provas, sob pena de indevida supressão de instância", escreveu.

continua em outra matéria