Olimpíadas de Tóquio correm risco de cancelamento
Saúde dos envolvidos com os jogos devem ser a principal preocupação

Desde o anúncio do adiamento dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Tóquio por conta da pandemia, a postura das autoridades ligadas ao Comitê Olímpico Internacional e ao governo japonês tem sido diferente daquela que antecedeu a alteração das datas. A hipótese de cancelamento da Olimpíada, antes fora de pauta, agora volta a ser debatida. O presidente da Comissão de Educação, Cultura e Esporte, senador Dário Berger (MDB-SC), considera que a saúde de todos os envolvidos com os jogos devem ser a principal preocupação.

Possíbilidade de cancelamento dos jogos não está destartada
Possíbilidade de cancelamento dos jogos não está destartada (Reprodução: El País)

“Absolutamente, nada é mais importante que a prevenção da doença, e também a preocupação com as de vidas envolvidas com a elaboração dos jogos, porque o mundo precisa se unir contra o Coronavírus” Disse o senador.

Outra pauta que tem causado preocupação no meio esportivo é o financiamento das confederações. Ana Moser, medalhista Olímpica, se diz preocupada com o impacto no financiamento oficial do esporte olímpico. “Essa maquina toda é financiada pelo movimento olímpico, e o movimento olímpico depende dos ciclos olímpicos, então sinceramente não sei como vai ficar, mas de cara o impacto do financiamento oficial do esporte olímpico”, relata.

Caso não haja alteração, as Olimpíadas de Tóquio ocorrerão entre 23 de julho e 8 de agosto de 2021, já as Paraolimpíadas acontecem entre 24 de agosto e 5 de setembro do mesmo ano.

continua em outra matéria