Ministro de "Taubaté" também não foi professor da FGV
Instituição informou que Decotelli nunca foi seu professor ou pesquisador

Além de possível plágio no mestrado e dúvidas quanto à conclusão do doutorado e do pós-doutorado, o currículo do ministro da Educação "de Taubaté", Carlos Alberto Decotelli, pode ter inconsistências quanto ao fato de ter sido professor. Segundo a Fundação Getúlio Vargas, ele nunca foi professor ou pesquisador da Instituição.

Contudo, a orientadora da tese de pós-doutorado de Decotelli, professora Brigitte Wolf, da Universidade de Wüppertal, informou à emissora CNN Brasil que o ministro era tido como professor da FGV enquanto esteve lá. Aparentemente, Decotelli informou que estaria na Alemanha enquanto cumpria um período sabático na Instituição.

Por nota, a FGV declarou que Decotelli "atuou apenas nos cursos de educação continuada, nos programas de formação de executivos e não como professor de qualquer das escolas da fundação. Da mesma forma, não foi pesquisador da FGV, tampouco teve pesquisa financiada pela instituição". Existe alguma informação no currículo de Carlos Alberto Decotelli sob a qual não há dúvidas? O nome talvez? Qual o critério do presidente da República para escolher os membros de seu Governo?

Contém informações da/o CNN Brasil.
continua em outra matéria