Luciano Hang: de bilionário a necessitado do 'coronavoucher'
Dados dos empresário constam no cadastro para auxílio emergencial do Governo. Facilidade de fraudes preocupa

O empresário Luciano Hang, dono da rede de lojas Havan, foi da lista de bilionários da Forbes a de necessitados do chamado "coronavoucher". Aparentemente, trata-se de mais uma fraude ao sistema de cadastro do auxílio emergencial do Governo aos mais prejudicados pela pandemia de COVID-19. Em nota, o empresário bolsonarista comentou o caso e pediu que a Polícia Federal apure quem foram os responsáveis.

Depois de fraudes ligadas a militares e ao filho do apresentador Willian Bonner, um novo escândalo envolvendo o "coronavoucher" coloca em dúvida a capacidade do Governo de coibir ilegalidades. O Executivo informa que Polícia Federal, Controladoria Geral da União e Advocacia Geral da União atuam na fiscalização, investigação e ajuiamento de ações para a devolução de valores recebidos indevidamente. O Ministério da Cidadania informa que uma lista com todos os beneficiados será divulgada no portal da Transparência, mas não especifica datas.

O caso envolvendo Hang veio à tona depois que o grupo de hackers Anonymous vazou dados pessoais seus, antes de ter sua conta suspensa. Eles tentaram utilizar as informações para cadastrar o empresário no sistema do auxílio emergencial, e descobriram que seu cadastro já constava lá. Ao tomar conhecimento, o dono da Havan repudiou tanto as ações dos hackers quanto a fraude utilizando seu nome.

"Informações pessoais minhas foram divulgadas ontem nas redes e hoje fiquei sabendo que solicitaram o auxílio emergencial. Entrei na página do benefício e consta como ‘em avaliação", escreveu o empresário bolsonarista no twitter, acrescentando: "Sou a favor do auxílio, acho uma ótima medida do governo para ajudar o povo, principalmente os mais pobres, que têm sofrido demais com essa crise mundial. Sou contra aqueles que não precisam do dinheiro e mesmo assim pegam e prejudicam quem realmente necessita do auxílio".

Contém informações da/o VEJA.
continua em outra matéria