Interceptações telefônicas mostram Robinho tratando caso de violência sexual como piada
O jogador pode ainda ser contratado pelo Santos e patrocinadores ameaçam sair

Nesta sexta-feira (16), uma reportagem do site globoesporte.com (GE), revelou várias interceptações telefônicas que foram autorizadas pela Justiça italiana e tidas como fundamentais para a condenação em primeira instância do jogador Robinho por violência sexual de grupo.

Robinho
Robinho Foto: MacNicol/AFP/Getty Images

Áudios enviados pelo WhatsApp a amigos mostram que ele diz ser perseguido pela Rede Globo e se compara ao presidente Jair Bolsonaro, que, segundo ele, teria sido atacado pela emissora durante as eleições presidenciais de 2018. A autenticidade dos áudios foi confirmada pela advogada do jogador, Marisa Alija.

Uma das transcrições mais preocupantes mostra Robinho dizendo que a vítima estava inconsciente: "Estou rindo porque não estou nem aí, a mulher estava completamente bêbada, não sabe nem o que aconteceu". Em outra, o músico Jairo Chagas pergunta a Robinho se ele não transou com a mulher. Robinho nega, e Chagas diz: "Eu te vi quando colocava o pênis dentro da boca dela". o jogador responde que "isso não significa transar".

A defesa do jogador afirma que ele não cometeu o crime e que, sempre que se relacionou sexualmente, foi de maneira consentida.

Um acordo entre Robinho e o Santos foi oficializado no sábado (10), no CT Rei Pelé, com duração de cinco meses, até o fim do Campeonato Brasileiro, em fevereiro de 2021. Pelo menos cinco patrocinadores já entraram em contato com a diretoria santista, afirmando que a continuidade dos seus contratos com o clube depende da desistência da contratação do jogador. E que desistam mesmo. Nenhum clube de futebol merece contratar um ser que além de pensar dessa maneira, acha graça de uma situação dessas. Robinho é um ser totalmente desprezível. Vegonha de ser brasileiro quando vemos um sujeito assim representar nosso país no exterior.

Contém informações da/o Folha.
Você está sendo roubado! O sistema usa o seu dinheiro, abusa de privilégios e cria leis para se blindar. O MBL vai na contramão desse sistema, lutando contra o Foro Privilegiado, Fundão e na defesa da prisão em segunda Instância e reformas. A batalha é desequilibrada, nós só podemos contar com você. Doe para o MBL clicando aqui.
continua em outra matéria