Foro privilegiado para Flávio Bolsonaro pode ser anulado
Decisão de desembargadores do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro fere determinação do STF

A decisão de desembargadores do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, de encaminhar para a 2ª instância do Tribunal a investigação sobre o suposto esquema de rachadinha no gabinete do então deputado Flávio Bolsonaro, desrespeita uma determinação do Supremo Tribunal Federal (STF) e pode ser anulada.

A jurista e mestre em Direito Penal Jacqueline Valles explica que, em 2018, a Suprema Corte definiu as regras para a aplicação do foro privilegiado.

"A decisão do TJ-RJ reconheceu a prerrogativa da função de deputado de Flávio Bolsonaro. Mas o STF já havia definido que só há foro privilegiado quando estiver sendo discutido algum fato relacionado ao exercício de sua função no momento do crime investigado. Flávio está sendo investigado agora por atos cometidos quando ele era deputado, vaga que não ocupa no momento. Portanto, o foro privilegiado não se aplica neste caso".

De acordo com a própria defesa do filho do presidente, a intenção de Flávio Bolsonaro é buscar a anulação de todos os atos que foram determinados pelo juiz de 1ª instância, como a quebra de sigilo bancário e fiscal de mais de 100 pessoas que estão envolvidas no processo.

Na quinta-feira (25), os desembargadores da 3ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ) mantiveram as decisões do juiz de 1ª instância Flávio Itabaiana, da 27ª Vara Criminal do Rio.

"Agora quem tem que fazer a denúncia sobre a investigação é o procurador de Justiça, não mais o promotor, que já estava com a denúncia pronta", explica Jacqueline.

No entanto, jurista avalia que a determinação abre espaço para que a defesa do ex-assessor Fabrício Queiroz solicite a anulação do seu pedido de prisão.

"Anulando a competência do juiz de 1ª instância, também há os efeitos de anular os seus atos anteriores, como a prisão do Queiroz e as quebras de sigilos. E provavelmente é isso que a defesa dos envolvidos fará", completa Jacqueline.

A mestre em Direito Penal ainda esclarece que o promotor do caso pode recorrer ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) para cancelar a transferência, com a alegação de que a decisão fere determinação do Supremo Tribunal Federal (STF).

Contém informações da/o ISTOÉ.
continua em outra matéria