Com 90 mil mortos por Covid, Bolsonaro afirma: "Tem medo do quê?"
No mesmo ato, o presidente fugiu ao ser questionado sobre o retorno da CPMF

O presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), aconselhou a seus idólatras nesta sexta-feira (31) em Bagé (RS) que enfrentem sem medo o novo coronavírus. Bolsonaro estava ao lado do prefeito Divaldo Lara (PTB), do mesmo partido de Roberto Jefferson, e afirmou que a administração do petebista na cidade é um exemplo do combate à Covid-19.

A última vez que a prefeitura atualizou os dados com os números de vítimas e infecções da doença foi em 6 de julho. O portal da prefeitura afirma que há apenas 144 casos e zero mortes. A Universidade Federal do Rio Grande do Sul, entretanto, afirmou que a cidade contém 343 casos confirmados e 4 mortes pelo novo coronavírus.

O presidente também aproveitou a aglomeração para atacar o distanciamento social, associando a medida ao socialismo.

“Não tem como fugir, vamos enfrentar, proteger os mais idosos, quem tem comorbidade. Fazer como o prefeito fez aqui em Bagé. Não fechou nada aqui em Bagé. Nós temos três ondas: a questão da vida, da recessão e em cima da miséria vem o socialismo. É isso que vocês querem para o Brasil? Enfrentar as coisas, acontece, eu estou no grupo de risco. Eu nunca negligenciei, sabia que um dia ia pegar, infelizmente, acho quase todos vocês vão pegar um dia. Tem medo do quê? Enfrenta. Lamento as mortes, morre gente todo dia de uma serie de causas. É a vida”, afirmou Bolsonaro.

No mesmo ato, ao ser questionado sobre a criação de um novo imposto, a CPMF (Contribuição Provisória Sobre a Movimentação Financeira), Bolsonaro fugiu, e encerrou a coletiva de imprensa.

continua em outra matéria