Brasil e China expõem diferenças na Cúpula do Brics
Reunião virtual entre presidentes mostou divergência entre acordos dos países

Nesta terça-feira (17), na cúpula dos Brics, o presidente Jair Bolsonaro teve o primeiro encontro - ainda que virtualmente - com o presidente da China, Xi Jinping que enfatizou o fato da China ser um dos países que está à frente na pesquisa pela vacina anti-covid e que estaria disposto a distribuí-la para os demais países do bloco. Porém, Bolsonaro contou que já estava "em sintonia" com o restante dos países na busca de uma vacina "segura e eficaz".

Jair Bolsonaro em Cúpula do Brics
Jair Bolsonaro em Cúpula do Brics (Imagem: Reprodução/TV Brasil/Youtube)

A fala dos dois presidentes mostrou claramente as diferenças que cada vez mais têm afastado China e Brasil, apesar do país asiático ser o principal importador do Brasil e do próprio Brics, formado por Brasil, China, Rússia, Índia e África do Sul.

Xi Jinping defendeu que os países mantenham "propósitos e princípios" da Carta das Nações Unidas e um sistema internacional centrado na ONU para evitar hegemonismos e políticas de disputa de poder. Já o presidente do Brasil fez o contrário: disse que estava aberto ao comércio internacional, mas falou que prefere defender a democracia e as "prerrogativas soberanas dos países", também defendeu a reforma da Organização Mundial de Saúde (OMS) e da Organização Mundial do Comércio (OMC), dois pontos em que segue a política do presidente americano, Donald Trump.

As diferenças entre os países também apareceram em relação ao meio ambiente, o presidente chinês prometeu transformar seu país em uma economia neutra em emissão de carbono até 2060 e defendeu a implementação do Acordo de Paris — do qual Bolsonaro também já considerou sair — e o presidente brasileiro usou seu discurso para dizer que iria revelar uma lista de países que comprariam madeira extraída ilegalmente do Brasil.

Contém informações da/o O Globo.
Você está sendo roubado! O sistema usa o seu dinheiro, abusa de privilégios e cria leis para se blindar. O MBL vai na contramão desse sistema, lutando contra o Foro Privilegiado, Fundão e na defesa da prisão em segunda Instância e reformas. A batalha é desequilibrada, nós só podemos contar com você. Doe para o MBL clicando aqui.
continua em outra matéria