Cinco dias após nomeação, Decotelli pede demissão do MEC
Escândalos com informações no currículo levaram à demissão do ministro "de Taubaté"

Nesta terça-feira (30), cinco dias após sua nomeação para chefiar o Ministério da Educação - regados a escândalos envolvendo o currículo -, o ministro "de Taubaté", Carlos Alberto Decotelli, apresentou seu pedido de demissão. A demissão foi a escolha do Governo de Jair Bolsonaro para tentar abafar a crise criada pela escolha de um nome que possivelmente plagiou a tese de mestrado e não concluiu a de doutorado.

Carlos Alberto Decotelli
Carlos Alberto Decotelli (Reprodução/Internet)

No páreo pela pasta da Educação, uma das mais importantes e que deveria ser pautada por critérios comprovadamente técnicos, e não por ideologias ou falsos currículos, estão Anderson Correia, reitor do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), Renato Feder, secretário de Educação do Paraná, Renato Feder, Sérgio Sant'Ana, ex-assessor do MEC, e Antonio Freitas, conselheiro do Conselho Nacional de Educação CNE).

Entre os escândalos envolvendo o currículo de Decotelli, estava o seu doutorado na Universidade Nacional de Rosario, na Argentina, cujo reitor negou que ele tivesse obtido o título. Também houve acusações de plágio em sua dissertação de mestrado, que o ex-ministro alega ter sido "distração". Consta, ainda, no currículo, uma pesquisa de pós-doutorado na Universidade de Wuppertal, na Alemanha, que se manifestou dizendo que Decotelli não chegou a obter o título.

Até informações profissionais foram contestadas. Em nota, a Fundação Getúlio Vargas (FGV) negou que Decotelli tenha sido professor ou pesquisador da Instituição, embora ele alegue que lecionou em cursos de educação continuada. A informação aparece em seu currículo e em seu perfil do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) - que presidiu de fevereiro de 2019 até a abertura do "Balcão de Negócios do Planalto" para membros do Centrão, que reivindicaram o cargo.

Será que o presidente da República vai dar mais valor aos currículos de seus ministros a partir de agora?

Contém informações da/o Folha de São Paulo.
continua em outra matéria