A prova do crime; escolheram deixar morrer em Manaus!
O jornalista mostra com documentos que o ministério da Saúde de Pazuello ESCOLHEU não fazer nada

André Spigariol, ex-CNN e agora jornalista da Revista Crusoé, conta que "não é verdade que o Ministério da Saúde aceitou o avião cargueiro oferecido pelos EUA para levar oxigênio a Manaus. Mostramos na @RevistaCrusoe, em março, que a pasta não aceitou a oferta. A justificativa: o governo não quis reembolsar os americanos pelos custos do transporte."

Pazuello
Pazuello

Continue lendo o que escreveu o jornalista em sua rede social:

A Embaixada dos EUA oficializou a oferta no dia 26 de janeiro, segundo nota diplomática encaminhada ao @ItamaratyGovBr. Notícia do @zebrito87, na CNN, nesse mesmo dia, relata voluntários mobilizando doações de oxigênio para pacientes com Covid-19.

Mas, para o @minsaude, "como os esforços nacionais foram suficientes para normalizar o suprimento de oxigênio no Amazonas, cessou a força maior que justificaria a vinda, mediante pagamento, de aeronave militar estrangeira".

Pazuello insiste que o Ministério da Saúde não tomou conhecimento de oferta de aeronave dos Estados Unidos para levar oxigênio a Manaus. Não é verdade. Aqui está o trecho de um despacho do coronel Élcio Franco, então secretário-executivo do MS, sobre o ocorrido:

Foi o próprio @minsaude que acionou o @ItamaratyGovBr para pedir a aeronave. Os Estados Unidos toparam, "mediante reembolso". Foi aí que a Saúde voltou atrás, porque interpretou que os americanos queriam "alugar" o avião.

A excelente @viriatoana_ mostra que Pazuello ficou em silêncio ao ser confrontado por @elizianegama com informações da reportagem sobre a recusa do avião norte-americano.

Ao tomar conhecimento da proposta dos EUA, o braço direito de Pazuello estrilou. Aos gritos, que puderam ser ouvidos do lado de fora de seu gabinete, o coronel Élcio Franco não admitiu ter que pagar pelo uso de um avião americano na crise de Manaus.

Você está sendo roubado! O sistema usa o seu dinheiro, abusa de privilégios e cria leis para se blindar. O MBL vai na contramão desse sistema, lutando contra o Foro Privilegiado, Fundão e na defesa da prisão em segunda Instância e reformas. A batalha é desequilibrada, nós só podemos contar com você. Doe para o MBL clicando aqui.
continua em outra matéria