fbpx
Justiça » Lava-Jato
Ronan Maria Pinto irá cumprir pena em regime semi-aberto “harmonizado”

O “empresário” foi condenado na operação Lava-Jato em segunda instância e estava preso em regime fechado A

01/03/2019 17h22

foto: Beto Barata/AE

O “empresário” foi condenado na operação Lava-Jato em segunda instância e estava preso em regime fechado

A Justiça do Paraná acolheu o pedido de mudança do regime de cumprimento de pena para semi-aberto, determinando o uso de tornozeleira eletrônico, por não haver disponibilidade no sistema penitenciário que garanta a segurança do preso. O condenado deverá permanecer no local de domicílio das 23hs às 05hs, finais de semana e feriados.

Ronan Maria Pinto, dono do jornal Diário do Grande ABC, foi condenado em cinco anos de prisão em regime inicial fechado por crimes de lavagem de dinheiro na operação Lava-jato, juntamento com o tesoureiro do PT, Delúbio Soares. A sentença confirmada pelo TRF-4 e o empresário foi preso no Complexo Penitenciário de Pinhais.

Ronan foi condenado por ter sido beneficiado em esquema descoberto em um desdobramento da operação Lava-jato, em que o pecuarista José Carlos Bumlai e o Banco Schain simularam um empréstimo para recebimento de valores oriundos de contratos com a Petrobrás para operação do Navio Sonda Vitória 10.000. Ronan foi considerado o beneficiário final de parte dos recursos.

O mensaleiro Marcos Valério em delação (edição 2294, ano 45, n. 45, 07/11/2012) disse que o condenado Ronan Maria Pinto teria chantageado a cúpula do PT, inclusive o ex-presidente Lula, que está preso, ameaçando de revelar fatos que comprometeriam o Partido dos Trabalhadores no caso do assassinato do ex-prefeito Celso Daniel. O publicitário alegou que o valor foi destinado à compra do jornal Diário do Grande ABC.

Ronan também foi condenado por corrupção, em 14 de novembro de 2017, no esquema de transportes de Santo André na gestão do ex-prefeito assassinado Celso Daniel. Ele não foi acusado pelo crime de homicídio.

Correspondente do MBL News no ABC.