fbpx
POLÍTICA REGIONAL
Câmara Municipal de Diadema redige Moção de Repúdio à Turma do Fundão

Todos os vereadores de Diadema são contra o aumento do Fundo Eleitoral em 2 bilhões (totalizando 3,7 bilhões de reais)

15/08/2019 07h06

(Jeverson Rosa e Rodrigo Manoel)

DIADEMA – O coordenador do MBL Diadema Jeverson Rosa, esteve na última quinta-feira (8) na Câmara Municipal para saber dos vereadores seus respectivos posicionamentos sobre o aumento do Fundo Eleitoral previsto para as eleições 2020, no qual aumenta-se o repasse de recursos públicos em 2 BILHÕES de reais.

A Comissão Mista de Orçamento já aprovou o aumento, criando um teto de 0,44% da Receita Corrente Líquida (RCL) deste ano – um montante de R$ 3,7 bilhões. Agora, a emenda segue para a Câmara dos Deputados que tem até o dia 31 de agosto para votar sua aprovação e incluí-la na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) ou vetá-la.

Em Diadema, o vereador e presidente da Câmara Municipal Revelino Teixeira de Almeida, o Pretinho (DEM) e Salek Aparecido de Almeida (DEM), de forma deliberada, acataram a sugestão do coordenador do MBL Diadema e, em convergência com esta pauta abusiva para com o contribuinte no tocante ao repasse de dinheiro público para campanhas que, uma vez realizada com dinheiro público, torna-se duplamente imoral e na contramão do anseio do eleitor: 1) é redundante dizer que este valor exorbitante poderia ser investido em áreas prioritárias do país, estados e municípios; 2) poder-se-á financiar candidaturas de pessoas com as quais o eleitor está em plena discordância, ou seja, um eleitor de direita financiando campanha de um candidato de esquerda, e vice-versa. Tal medida, além de um acinte a democracia – pelos motivos citados acima -, não corresponde com a política atual de corte de gastos do governo bem como dos municípios, cuja saúde financeira está em alerta máximo.

Sendo assim, os vereadores de Diadema, numa atitude louvável, redigiram uma “Nota de Repúdio” posicionando-se contrários ao aumento do Fundo Eleitoral.

Vale ressaltar, que ser contra o aumento abusivo do Fundo Eleitoral é uma questão de bom senso, de senso de prioridade. Mesmo porque, é completamente possível fazer campanha eleitoral sem USAR RECURSOS PÚBLICOS, como fizeram Fernando Holiday (eleito vereador de São Paulo), Kim Kataguiri (eleito deputado federal), Arthur do Val – Mamãefalei (eleito deputado estadual) e todos os candidatos do Partido Novo.

AJUDE-NOS A CONTINUAR NOSSO TRABALHO: CONTRIBUA EM: mbl.org.br/ajudeseunucleo

Estudante de Letras, são-paulino, fã de System of a Down, devoto de São Dostoiévski (o maior escritor-filósofo do mundo). Intrínseco a mim: Política, Jornalismo, Filosofia e Sociologia. Sou MBL com muito orgulho.