fbpx
Alego » Goiás » Saneamento Básico
Venda de 49% das ações da Saneago é aprovada em segunda votação e aguarda sanção de Caiado

Porém o estado de Goiás poderá vender ações da Saneago somente após renovar o contrato com as prefeituras de Goiânia e Anápolis.

08/11/2019 09h33

Foi aprovado em votação definitiva nesta quinta-feira (7) o projeto nº 5920/19, de autoria do Executivo Estadual, que prevê a venda de até 49% das ações da Empresa de Saneamento de Goiás, a Saneago, e aguarda ser sancionado pelo governador Ronaldo Caiado (DEM). Porém o estado de Goiás terá que esperar a renovação da Saneago com as prefeituras de Goiânia e Anápolis para que esteja apto a vender as ações. Mas como vemos aqui e aqui, a Saneago enfrenta problemas com as duas prefeituras.

O líder do governo na Casa, Bruno Peixoto (MDB) afirmou que “É evidente que, com a renovação de Goiânia e Anápolis, os valores das ações terão superávit. A aprovação do projeto não significa colocar ações no mercado imediatamente. Imagino que isso deve ocorrer após diálogo e acordo renovado com essas duas cidades”.

O projeto recebeu em segunda votação votos contrários dos parlamentares Antônio Gomide (PT), Lêda Borges (PSDB), Cláudio Meirelles (PTC), Rubens Marques (Pros), Adriana Accorsi (PT), Helio de Sousa (PSDB), Talles Barreto (PSDB) e Alysson Lima (Republicanos).  

A primeira apreciação e votação da propositura foi conduzida pelo presidente da Casa, deputado Lissauer Vieira (PSB), durante deliberação da Ordem do Dia na terça-feira (5). Naquela oportunidade, o projeto de lei recebeu votos contrários dos parlamentares Antônio Gomide (PT), Lêda Borges (PSDB), Henrique Arantes (MDB), Cláudio Meirelles (PTC), Rubens Marques (Pros), Adriana Accorsi (PT), Lucas Calil (PSD), Helio de Sousa (PSDB) e Gustavo Sebba (PSDB)

Na justificativa da matéria, o governador Ronaldo Caiado explica que a proposta decorre de solicitação da presidência da companhia, e tem por objetivo a estruturação da operação para Oferta Pública Inicial de Ações (IPO), “visando possibilitar a máxima liquidez das ações de emissão da Companhia, bem como a melhor possibilidade de acesso ao mercado de capitais na Oferta Pública intentada”.

O texto final aprovado pelo Plenário da Alego contém emenda do deputado Rubens Marques (Pros), que prevê a obrigatoriedade de que pelos menos 30% da venda das ações sejam aplicadas em saneamento do Estado.

Mesmo com venda de até 49% das ações, a Saneago não será privatizada como reforçado por Caiado. “A Saneago continuará tendo o comando, com a preservação de 51% de suas ações. Buscamos dar musculatura à Companhia para não ceder espaço a outras empresas privadas que querem apenas (atuar) nas grandes cidades, deixando de lado mais de 100 municípios goianos que ficariam sem atendimento e água de qualidade”, ressaltou o governador.

Química Industrial, Tatuadora, Desenhista, Cristã Reformada e aspirante a Teóloga.