Coronavírus
Uma História Triste Gerada pelo Coronavírus

Os primeiros infectados de Brasília estão em uma situação traumática

19/03/2020 08h39 - Por Jonas Fernandes

O Coronavírus destruiu muitas famílias com a morte de avôs e avós e outros entes queridos pelo mundo. Em Brasília, a situação dos primeiros casos confirmados, o casal que voltou de viagem do Reino Unido e Suíça, está cada vez mais complicada.

Segundo boletim médico divulgado pela Secretaria de Saúde do Distrito Federal (SES-DF) nesta terça-feira (18), a esposa, de 52 anos, apresentou piora no quadro respiratório e está em coma induzido. Seu caso é mais complexo devido às doenças respiratórias que ela já possuía. Ela começou a apresentar os sintomas no dia 4 de março e foi para um hospital da rede privada para buscar atendimento, de lá ela foi transferida para o Hospital Regional da Asa Norte (HRAN), ato considerado “Inadimissível” pelo Ministério da Saúde.

Já o marido passou por situações complicadas. Segundo diversos meios de informação, ele teria se recusado a fazer os exames e passar por quarentena, além de ter transitado livremente pela capital com o vírus. Todavia, conforme a advogada da família, Cláudia Rocha, o único trajeto que o homem fez foi acompanhar sua esposa até a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do HRAN, ele também chegou a fazer a sorologia em laboratório da rede privada e teria se isolado em casa desde o dia 7 de março, sendo que testou positivo no dia 9 conforme exame realizado em sua própria residência. Ainda segundo ela, o homem nunca se negou a realizar qualquer teste para o vírus.

Recentemente, o marido pediu à Justiça que fosse liberado no próximo domingo (22), quando o período de 14 dias de quarentena recomendados acabarão; tal prazo estabelecido pelo Ministério da Saúde pode ser prorrogado. Além disso, ele não apresenta sintomas gripais.

“Ele quer ver a filha, que está na casa de terceiros. Ele é um empresário, tem a vida dele e não está podendo fazer nada, em isolamento total”, solidarizou a advogada. Segundo ela, a família se encontra muito abalada, além da preocupação com a doença e a distância, a foto do homem foi espalhada pelas redes sociais junto com informações falsas sobre sua profissão, pois ele é empresário, e não advogado. “Eles sempre foram uma família muito discreta, nunca tinham sido expostos desse jeito”, lamentou Cláudia Rocha.

Em seu pedido, o marido salientou que “continua à disposição das autoridades para quaisquer esclarecimentos bem como o que se fizer necessário”.


Fonte: G1; Correio Braziliense e Veja


Nota do Autor:

É compreensível a preocupação da população, autoridades e mídia incluídos, quanto à propagação do vírus, devido ao medo que se sente pelos seus familiares, entes queridos e amigos.

Entretanto, expor a foto, divulgar informações falsas sobre uma pessoa cuja família está sendo assolada pelo vírus, não faz sentido algum.

Até que ponto a vida da sua família é mais importante que a vida de outra?

Enfim, essa história é um bom exemplo de como é importante manter não somente a higiene, mas a calma diante da situação.