fbpx
Bahia
Salvador: Secretaria de Saúde comemora convênio que garante tratamento de doenças raras

Prefeitura firmou convênio de R$ 33 milhões.

13/09/2019 12h59

Pacientes com doenças raras, pessoas com deficiência física e intelectual ou que necessitam de suporte psicossocial passam a contar, a partir de agora, com a ampliação no atendimento, através do Sistema Único de Saúde (SUS), por parte de quatro instituições filantrópicas em parceria com a Prefeitura de Salvador.
A Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae), o Instituto Bahiano de Reabilitação (IBR) e o Núcleo de Atendimento à Criança com Paralisia Cerebral (NACPC) atuarão na modalidade de Centros Especializados em Reabilitação (CER II), habilitados pelo Ministério da Saúde para garantir o acesso a pacientes diagnosticados com autismo, síndrome de down e outros.
O Centro Nzinga de Atenção à Saúde Mental da Mulher e Família funcionará como Centro de Atenção Psicossocial. O contrato do convênio gira em torno de R$ 33,5 milhões anuais, dividido entre as quatro instituições.

A parceria com essas entidades, que já possuem reconhecimento e expertise no município, ocorre após abertura de um chamamento público.
O convênio foi assinado na manhã desta quarta-feira (11), no Palácio Thomé de Souza, pelo prefeito ACM Neto, ao lado do secretário municipal de saúde, Leo Prates; de Davina Brandão, representante do Centro Nzinga; Tatiana Amorim, diretora técnica de Serviços de Referências de Doenças Raras da Apae; Carlos Dumet, superintendente administrativo do IBR; Pedro Guimarães, presidente e fundador do NACPC; Derval Evangelista, presidente em exercício da Apae; e Geraldo Leite, presidente da Fundação José Silveira. Correios

Um sonho antigo da cidade foi contratualizado hoje, essas instituições juntas farão mais de 190 mil procedimentos por ano. Vai ser muito importante pra cidade de Salvador. A rede de saúde de Salvador é muito maior do que UPA e postos de saúde. É um serviço público, gratuito e de qualidade para a população.”

Disse o secretário de saúde, Léo Prates.

23 anos. Juazeirense, paixonada por psicologia criminal, pelo liberalismo econômico e pelo objetivismo.