São Paulo
Rogério Lins e os fantasmas

Vereadores de Osasco desviaram cerca de 21 milhões dos cofres públicos

13/02/2020 16h56 - Por Lucas França

(Foto:Polícia Civil SP)

Uma história de investigação que envolve prefeito foragido, vereadores e até fantasmas tem certo potencial para, quem sabe, virar um best-seller. Ora, essa história parece mais uma ficção, mas aconteceu de verdade na cidade de Osasco.

A operação Caça-fantasmas, iniciada em agosto de 2015, tem como objetivo desmontar um esquema de contratações de funcionários fantasmas e a captação de parte do salário dos assessores dos vereadores. De acordo com o Ministério Público de São Paulo, o esquema desviou cerca de 21 milhões dos cofres públicos.

O Ministério Público ofereceu denúncia contra 217 pessoas, entre vereadores, assessores e funcionários fantasmas. Na época mais de 200 pessoas chegaram a ser afastadas de seus cargos e 14 mandatos de prisão contra vereadores de Osasco foram expedidos.

O atual prefeito de Osasco, Rogério Lins, tem o seu nome como um dos principais envolvidos no esquema de desvio de dinheiro público. A justiça chegou a decretar a sua prisão preventiva, mas Lins se entregou apenas 20 dias depois, após voltar de uma viagem a Miami. Lins desembolsou 300 mil para pagar a sua fiança e 48 horas depois, espantosamente, assumia a prefeitura de Osasco.

Até o momento foram condenados mais de 30 réus pelos crimes de estelionato e organização criminosa. Porém, a sensação de impunidade persiste nas ruas, visto que dos vereadores presos 6 foram reeleitos.

Fontes:

https://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/prefeito-eleito-de-osasco-e-alvo-de-prisao-preventiva-na-operacao-caca-fantasmas.ghtml

https://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/rogerio-lins-prefeito-de-osasco-paga-fianca-de-r-300-mil-diz-tj.ghtml