Rio Grande do Sul
Rio Grande do Sul tem a primeira suspeita de infecção por coronavírus

Depois que a classificação de risco no Brasil mudou para nível 2, o primeiro caso do RS foi notificado.

28/01/2020 23h44 - Por Camila Greff

Depois que o Ministério da Saúde comunicou a alteração para o nível 2 de risco – perigo iminente – do Brasil passar por um surto de coronavírus, houve a primeira notificação no Rio Grande do Sul, proveniente de São Leopoldo. Os níveis de risco seguem o protocolo do Centro de Operações de Emergência (COE) e orientam a postura do País em relação à vigilância na entrada e saída de viajantes, bem como à atenção nas unidades de saúde.

O paciente passou a ser monitorado por agentes de saúde da cidade após a mudança de nível de risco, pois veio da China há dez 10 dias e procurou uma unidade relatando sentir febre desde segunda-feira (27). De acordo com o secretário de Saúde, Ricardo Charão, ele reside em Kunming, cidade localizada a cerca de 1.500 km da província de Hubei, onde fica Wuhan – apontada como epicentro do coronavírus.

Confira o comunicado da Secretaria Estadual da Saúde acerca do caso:

A Secretaria da Saúde do Estado já colocou em prática um plano de ação que segue à risca os protocolos preconizados pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e pelo Ministério da Saúde (MS). Em parceria com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), os técnicos da Vigilância em Saúde do Estado estão acompanhando a chegada de pessoas oriundas da China. Ao mesmo tempo, a Secretaria da Saúde orientou os agentes municipais de saúde para que todos os casos de pessoas vindas do território chinês que apresentem febre e sintomas respiratórios (semelhantes aos de uma gripe, como tosse, dificuldade de respirar, coriza) sejam imediatamente relatados à Vigilância em Saúde Estadual. Os pacientes devem ser imediatamente isolados e tratados de acordo com a gravidade do quadro clínico.

Um paciente de São Leopoldo procurou a UPA da cidade e, mediante orientação da Vigilância em Saúde do Estado, recebeu o atendimento e acompanhamento preconizado pelo Ministério da Saúde. Não esteve na região da China que até a segunda-feira (27) era considerada de risco. O paciente não apresenta quadro grave de doença respiratória e, por precaução, ficará em isolamento domiciliar. Foi coletado material para análise“.

Fonte: Portal G1.

Continue lendo…