São Paulo
Reclamações sobre serviços da prefeitura, na gestão Bruno Covas, aumentam 29,5% em 2019

As queixas mais recorrentes são relacionadas a buracos nas vias, podas e remoções de árvores

04/02/2020 06h00 - Por Rodrigo Vieira

Em 2019, houve um aumento significativo nas reclamações à Ouvidoria Geral da Cidade de São Paulo, recebidas pela Central SP 156. Foram registradas, em 2019, 17.159 queixas, um aumento de 29,5% em relação à 2018, quando foram contabilizadas 13.241 reclamações. As reclamações são relacionadas a serviços já solicitados, mas que não foram concluídos do prazo determinado.

Dentre as reclamações, as campeãs no ranking são decorrentes de buracos em ruas e queixas referentes a árvores (para remoções ou podas).

Em 2019, houve 3.233 reclamações referentes a arvores, 5,5% menores do que em 2018, que registrou 3.420 queixas, mas mesmo com essa ligeira queda, ainda lidera o ranking de reclamações na Ouvidoria. Logo atrás, vem às reclamações referentes a buracos, um grande transtorno para motoristas, ciclistas, pedestres ou qualquer um que utilize das vias públicas para se locomover. As reclamações desse tipo saltaram de 1.975, em 2018, para 2.604 queixas em 2019, um aumento de 31,8%, representando 15% do total de todos os registros na ouvidoria.

Qualquer munícipe que ande pelas ruas de nossa metrópole, conhece bem os problemas infindáveis dos buracos nas ruas. Infindável porque por mais que haja operações tardias de tapa-buracos, é apenas uma questão de tempo – e estamos falando de pouco tempo – para surgirem novos buracos, e muitas vezes, os mesmos buracos ressurgem.

Em maio do ano passado, o prefeito Bruno Covas (PSDB), disse que a meta de sua gestão era a redução do prazo para atendimento de uma solicitação de tapa-buracos para 10 dias, e não 45 dias. O prefeito também disse que a prefeitura tinha cumprido a meta de executar 38 mil solicitações de tapa-buracos em 40 dias, no entanto, seria melhor o prefeito mudar as metas de dias, por horas, pois apesar da conclusão dessas solicitações, as ruas de São Paulo continuam cheias de buracos.

Em entrevista à Folha, Ivone Alves Da Silva, 49 anos, disse que luta desde 2017, para que um buraco aberto em frente à sua casa seja tapado. “ Eu ligo toda semana (no 156) e é a mesma coisa que nada, nunca resolvem”, afirma Ivone, que mora em Itaquera na zona leste.

Ivone também comentou que a cada ligação lhe foi dada uma desculpa diferente para a não conclusão do serviço.

Já na zona sul, outro caso bem semelhante foi presenciado pela psicóloga Claudia Bordon, 52 anos. Ela mora na avenida Santa Catarina, e também viu um buraco se abrir em frente ao prédio onde reside. “Esse buraco é muito perigoso  porque os carros desviam pra não passar em cima e podem bater em outro veículo que vier na direção contrária”, contou.

Em reposta, a Secretaria Municipal das Subprefeituras, afirmou que foram tapados 185.486 buracos em 2019. “Na Central SP156 foram recebidas 124.518 solicitações e 132.341 foram concluídas. Em dezembro de 2019, o estoque de solicitações era de 12.062. Árvores podadas somam um total de 117.454. “Na Central SP156, foram recebidas 60.400 solicitações e concluídas 95.157”. Em dezembro de 2019, o estoque de solicitações era de 14.056”. Segundo nota da gestão Bruno Covas.

“A Cidade de São Paulo possui 17 mil quilômetros de vias e, aproximadamente, 49 mil ruas. Para fazer o escape de toda a extensão, o custo seria em torno de R$10 bilhões, por isso, o serviço de recapeamento da cidade também foi requalificado. Desde o início do programa, 259 vias foram recapeadas totalizando 351.350 metros e 5.010.188,23 m² de área renovada”,  segundo a nota.

Em relação aos casos citados pela reportagem da Folha, foi dito que: “Caso o problema for de concessionária ou outro órgão, esse será acionado”.

Em 2019, a equipe do MBL São Paulo cobriu uma situação semelhante na avenida Sapopemba. Motoristas reclamavam da situação da pista, muitos buracos, falta de iluminação e sinalização. As subprefeituras foram acionadas, porém, não obtivemos nenhum retorno.

Fonte: Folha