Educação » Goiás
Professora da UFG cita Paulo Freire e critica Bolsonaro em formatura

“Homofóbico, machista, racista, misógino, que odeia pobre”, disse ), a professora Miriam Bianca Amaral Ribeiro.

04/02/2020 11h32

Em discurso como paraninfa da formatura da turma de Pedagogia da Universidade Federal de Goiás (UFG), a professora Miriam Bianca Amaral Ribeiro saudou Paulo Freire e atribuiu qualidades pejorativas ao governo de Jair Bolsonaro. “Homofóbico, machista, racista, misógino, que odeia pobre”, disse ela.

Paulo Freire, Paulo Freire, Paulo Freire”, assim iniciou o discurso politizado da professora, ressaltando a importância do patrono da educação para uma “educação pública e de qualidade”. O discurso parece ser uma resposta ao ocorrido no mês passado, quando o Reitor da Universidade foi vaiado ao citar Paulo Freire, conforme noticiamos aqui.

Se alguém acha que não se pode falar em Paulo Freire em uma colação de grau, saiba que a universidade pública e gratuita só existe porque pessoas como Paulo Freire não abrem mão do direito de todos em acessar o conhecimento
produzido pela sociedade
“, disse a professora.

Miriam Amaral Ribeiro afirma durante o discurso que o governo de Jair Bolsonaro é racista, homofóbico, nazista, entre outras características. “O fascismo está em curso em um governo que se diz que índio não é gente, que ter filha é um vacilo e que a pobreza é que desmata para comer. Um governo homofóbico, machista, racista, misógino, que odeia pobre, um governo que elogio o nazismo, que matou 8 milhões de pessoas”.

Ela criticou também a tentativa de Bolsonaro e equipe em transformar, segundo ela mesma, a “pátria amada” em “pátria armada”. “Leve para o seu trabalho a luta incansável contra qualquer tipo de preconceito, porque a desigualdade não é natural e, se foi construída por humanos, também pode ser destruída por nós. Não desista de enfrentar a violência, porque ‘pátria amada’ não é pátria armada”.

Química Industrial, Tatuadora, Desenhista, Cristã Reformada e aspirante a Teóloga.