fbpx
Capital » São Paulo
Prefeito de São Paulo Bruno Covas é diagnosticado com câncer

Diagnóstico de câncer no trato digestivo, a princípio, não deve afastar Bruno Covas do cargo

28/10/2019 20h57 - Por Orlando Neto

(Foto: Veja)

Na manhã desta segunda feira (28) o prefeito de São Paulo Bruno Covas foi diagnosticado pela equipe do hospital Sírio Libanês com um câncer no trato digestivo na região entre o esôfago e o estômago chamada cárdia com metástases no fígado e nos linfonodos.


O prefeito se sentiu mal no sábado (19) e foi atendido no pronto atendimento do hospital Albert Einstein, onde iniciou um tratamento com antibióticos que não deu o resultado esperado. Covas se dirigiu ao Hospital Sírio Libanês na quarta-feira (24) onde recebeu o diagnóstico de erisipela (infecção na pele causada por bactérias) e permanece internado desde então. Exames posteriores apontaram a presença de um tumor que hoje foi confirmado ser maligno do tipo adenocarcinoma.


Bruno Covas deve permanecer internado até sexta feira (01) para o tratamento de uma embolia pulmonar e de uma trombose profunda na perna. O prefeito deve se submeter ao tratamento quimioterápico em três seções com duração de 36 horas para futura reavaliação. Após este primeiro tratamento, não está descartada uma cirurgia para a retirada do tumor, mas tudo dependerá da resposta do prefeito à quimioterapia.


O médico responsável pelo tratamento, Dr. Davi Uip disse em entrevista coletiva que Bruno Covas apresentava-se assintomático e que trata-se de um achado de sorte, mas uma situação “traiçoeira” por comprometer outros órgãos apesar do diagnóstico precoce.


Caso o prefeito precise se licenciar, seu pedido deve ser ratificado pela Câmara Municipal, pelo fato de Bruno Covas já ter assumido o cargo no lugar de João Dória como vice em sua chapa. De acordo com a lei orgânica do município, quem deve assumir a prefeitura nesses casos de vacância do prefeito e de seu vice, é o presidente da Câmara Eduardo Tuma (PSDB), por um período máximo de 30 dias. Caso a vacância persista, uma eleição indireta na Câmara elegerá um novo prefeito já que João Dória/Bruno Covas já cumpriram mais de 2 anos de mandato.


Há um ano das eleições municipais, essa possível ausência do prefeito poderá causar uma instabilidade totalmente indesejada na administração com trocas de comando e disputas políticas na Câmara em uma possível eleição indireta, além de uma reviravolta inesperada na corrida eleitoral de 2020 já que Bruno Covas já se lançou como pré candidato do PSDB à reeleição.


Apesar das profundas divergências políticas e de gestão que temos em relação a sua administração, neste momento às deixamos de lado para desejar ao prefeito Bruno Covas uma breve recuperação e pronto restabelecimento.

Revisores: Gabriel Castro, Felipe Donadi e Cynthia Capucho.