Goiás
Polícia indicia médica do Ingoh e ex-presidente do Ipasgo por ter causado morte de paciente com câncer

Operação Metástase concluiu que houve prescrição e liberação fraudulenta de uma medicação que antecipou a morte da vítima com câncer

11/02/2020 14h00

Após a deflagração da Operação Metástase, a Polícia Civil de Goiás, concluiu a investigação sobre a prescrição e aplicação de tratamento quimioterápico inadequado realizado no Instituto Goiano de Oncologia e Hematologia (Ingoh), referente ao caso do óbito do paciente Alexandre Francisco de Abreu e decidiu pelo indiciamento de uma médica do Ingoh e de um ex-presidente do Ipasgo.

A investigação concluiu que houve prescrição e liberação fraudulenta de uma medicação inócua ao tratamento de câncer realizado na vítima naquela instituição privada, condutas que contribuíram para a antecipação da morte do paciente. Resultando em enquadramento dos investigados de homicídio doloso qualificado.

A Operação Metástase da Polícia Civil apurou a existência de uma estrutura típica de organização criminosa, com indivíduos vinculados ao Ingoh, nas pessoas de seus sócios e outros profissionais, e antigos servidores da cúpula do Instituto de Assistência dos Servidores Públicos do Estado de Goiás (Ipasgo), em nítida divisão de tarefas direcionadas à estruturação e consecução de um esquema grandioso e fraudulento de desvios milionários de recursos da instituição pública.

As informações são do Jornal Opção.

Química Industrial, Tatuadora, Desenhista, Cristã Reformada e aspirante a Teóloga.