Pará
Polícia Federal prende ex-senador do Pará, Luiz Otávio Campos

Ex-senador supostamente intermediou pagamentos para Helder Barbalho, em 2014

09/01/2020 11h46 - Por Darlen Freitas

Hoje, no dia 9 de janeiro, a Polícia Federal (PF) deflagrou um mandado de prisão ao ex-senador do Pará Luiz Otávio Campos (MDB), pela Operação Fora da Caixa que faz parte da Operação Lava Jato. Esta ação da Polícia apura suposto crime de caixa dois praticado nas campanhas eleitorais de 2014 para o governo do Pará.

A investigação foi iniciada quando em delação premiada, na Operação Lava Jato, um sócio da empresa Odebrecht relatou que “um candidato ao governo do Pará recebeu três pagamentos de 500 mil reais cada, intermediados por um ex-senador ligado ao então governo paraense”.

Posteriormente, Luiz Otávio Campo, segundo o delator da J&F Ricardo Saud, foi apontado como o operador, do senador Jader Barbalho (MDB), que lidava com o dinheiro repassado pela empresa JBS para parlamentares do MDB Pará com o objetivo de comprar apoio na campanha à presidência em 2014 de Dilma Rousseff.

De acordo com a PF, Campos é suspeito de intermediar o pagamento de 1,5 milhão de reais parceladas em três vezes ao governador do Estado Helder Barbalho (MDB) para ser possivelmente usado na sua campanha eleitoral de 2018.

Em nota a Polícia Federal declarou que “durante o trabalho investigativo, foram encontrados indícios de que pelo menos um dos pagamentos foi realizado em endereço ligado a parentes do ex-senador da República citado pelos executivos”.

Ao todo a Operação Fora da Caixa emitiu dois pedidos de prisões temporárias e seis mandados de busca e apreensão nos Estados do Pará e Tocantins, além do Distrito Federal. Os suspeitos são investigados por crime de caixa dois, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro.

O inquérito prosseguia primeiramente pelo Supremo Tribunal Federal (STF), entretanto após novo entendimento que crimes eleitorais são julgados pela Justiça Eleitoral, processo tramita agora pela Justiça Eleitoral de Belém.

Segundo Helena Mader da Crusoé, Luiz Otávio Campos já concorreu a vaga para ministro do TCU, em 2006, mas foi rejeitado. Na época os deputados federias disseram que ex-senador não possuía “reputação ilibada e idoneidade moral”, um dos pré-requisitos para o cargo. Conforme O antagonista, Campos foi indicado para competir para o cargo de ministro por articulação do governador Jader Barbalho (MDB).