fbpx
Guarujá » Polícia » São Paulo
Polícia Civil apreende quase 52 kg de cocaína que iriam embarcar em navio para Bélgica; um homem foi preso

A operação do narcotráfico internacional era realizada em Guarujá. Outros criminosos conseguiram fugir.

11/10/2019 15h59 - Por Paulo Pasquini

O bando pretendia ocultar a cocaína em uma carga de açúcar para exportação (Divulgação)

A Polícia Civil apreendeu e acabou evitando o embarque de 51,8 quilos de cocaína em um navio com destino à Bélgica.Um homem foi preso em flagrante, outros marginais envolvidos conseguiram fugir, mas as investigações prosseguem para identificá-los. A operação do narcotráfico internacional era realizada no Guarujá e foi desmantelada no final da tarde de quarta-feira (9). Ela revelou um esquema dos criminosos, até então, desconhecido pelos policiais.

A quadrilha fez uso de extorsão de caminhoneiros para ter acesso a cargas que seriam exportadas. Um caminhoneiro, que não teve seu nome revelado, teve a sua família ameaçada de morte eu foi obrigado a desviar a rota do veículo que dirigia para uma oficina indicada pela quadrilha de narcotraficantes. O bando pretendia ocultar a cocaína em uma carga de açúcar para exportação.

Com muros e portão altos, a oficina funcionava em um galpão na Rua Professor Idalino Pinez, mais conhecida por Rua do Adubo, no Jardim Boa Esperança, em Vicente de Carvalho.

Policiais da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Santos foram ao local após denúncia. Através de uma fresta do portão, os agentes viram vários homens ao lado de um caminhão com o motor ligado.

Os homens fugiram pelos fundos do galpão, escalando um muro ao perceberam que havia policiais na parte externa. Um deles subiu no telhado de uma casa vizinha à oficina, caiu e fraturou uma das pernas, sendo capturado na sequência.

De acordo com o motorista, ele transportava no 27,5 toneladas de açúcar com destino a um dos terminais na Margem Esquerda do Porto de Santos, em Guarujá. Porém, por exigência dos traficantes, desviou a rota até a oficina, localizada nas imediações.

A equipe da DIG apenas conseguiu entrar no galpão após o caminhoneiro abrir o portão por dentro. A ação do motorista possibilitou a prisão do técnico em informática Jean Nabih Raad, de 33 anos, que ainda tentava escapar, apesar da queda do telhado e de ter quebrado as pernas. Ele está internado sob escolta policial no Hospital Santo Amaro e precisará passar por cirurgia

A equipe da DIG declarou que considerou verdadeira a versão do motorista, pois ele não tentou escapar e ainda abriu o portão para a polícia.Os investigadores também examinaram o celular do caminhoneiro e verificaram mensagens que lhe foram enviadas pelo WhatsApp que corroboram sua versão.

De acordo com o motorista, ele transportava 27,5 toneladas de açúcar com destino a um dos terminais na Margem Esquerda do Porto de Santos, em Guarujá. Por exigência dos traficantes, desviou a rota até a oficina, localizada nas imediações do terminal.

Nas mensagens encontradas no celular do motorista,os marginais ameaçaram de morte a família do caminhoneiro, caso ele não se dirigisse com o veículo ao galpão da Rua do Adubo para ser escondida na carga transportada o entorpecente.

Droga foi localizada em um galpão, na Rua do Adubo, em Guarujá (Foto: Divulgação)

A cocaína estava embalada em 47 tijolos e tinha elevado teor de pureza . Se não fosse aprendida, a droga seria embarcada junto com as 27,5 toneladas de açúcar no navio Cap San Lorenzo, que zarpará de Santos com destino ao porto belga de Antuérpia. O cargueiro está atracado no cais do terminal de Guarujá.

Investigação

O delegado que chefiou a operação da DIG, autuou Jean Raad pelos crimes de tráfico e associação para o tráfico. Morador da região central de São Paulo, o técnico em informática possui antecedentes por tráfico e porte de arma na Justiça do Paraná.Ele ainda não pôde ser interrogado, porquê foi hospitalizado,mas de modo informal, negou aos policiais ligação com a cocaína apreendida. Raad também não soube explicar o que fazia na oficina e nem por que tentou fugir. Para o delegado, “é impossível desvencilhá-lo da cena do crime”.

Dois celulares que estavam com o suspeito preso foram apreendidos. Outro aparelho foi achado no contêiner no qual estava a carga de açúcar e deve ter sido perdido por um dos homens que fugiram. Um quarto aparelho foi encontrado em um cômodo da oficina.

A Perícia será realizada nos quatro celulares encontrados, para verificar os arquivos dos aparelhos e saber se eles contêm informações sobre os demais envolvidos na operação de tráfico internacional de drogas. Também foram apreendidos um Fiat Uno, pertencente a Raad, e um Fiat Punto de outro suposto membro do bando.

Fonte: A Tribuna