Pará
Pará no topo dos problemas ambientais

Dados são do boletim do desmatamento da Amazônia Legal feito pelo Imazon

29/01/2020 16h25

Ontem, dia 28, o Imazon (Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia) publicou o boletim do desmatamento da Amazônia Legal que compara a degradação da floresta ocorrida em dezembro de 2019 com a de dezembro de 2018. O estudo obteve seus dados através de imagens de seis satélites.

Dezembro de 2019 em comparação ao mesmo período de 2018, houve uma redução de 8% das áreas desmatadas, foram 19 quilômetros quadrados a menos, entretanto, o número ainda segue alto, 227 quilômetros quadrados de desmatamento somente em um mês.

O estado que mais apresentou áreas desmatadas foi o do Pará, com 47% do total, ou seja, aproximadamente 107 quilômetros de desmatamento apenas no território paraense.

Proporção de desmatamento por estado. Fonte: Imazon.

Conforme o estudo, os dados mais preocupantes foram sobre a degradação da floresta, que é quando a mata perde sua capacidade de realizar suas funções originais, em dezembro 2019, 373 quilômetros quadrados foram degradados, enquanto que no mesmo mês de 2018 ocorreu em apenas 1 quilômetro.

Novamente, o Pará se destacou como o estado que mais teve áreas degradas, 48%, cerca de 179 quilômetros quadrados de degradação.

Proporção de degradação por estado. Fonte: Imazon.

Além disso, dos dez municípios mais críticos em problemas ambientais, três são paraenses, são eles: São Félix do Xingu, em primeiro lugar; Uruará, em sexto e Placas em décimo.

Fonte: Imazon.

Após a divulgação do estudo, a Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas) emitiu uma nota informando que 59% do desmatamento que ocorre no Pará são em áreas pertencentes ao Governo Federal. Além disso, anunciou que irá promover um processo seletivo para aumentar o número de fiscais para combater os problemas ambientais do estado.