Educação » São Paulo
Pagamento dos salários de funcionários de creches descredenciadas é liberado pela prefeitura de SP

Em 2019, a gestão municipal rompeu contrato com 35 mantenedoras responsáveis por 104 creches

08/01/2020 16h06 - Por Antonio Glenio

Foto: Folha

A Secretaria Municipal da Educação decidiu, após análise realizada pela Procuradoria Geral do Município, na qual permitiu reverter os valores retidos das associações diretamente para os funcionários, liberar verba para pagar os salários pendentes aos funcionários das 104 creches que foram descredenciadas pela Prefeitura de São Paulo em outubro do ano passado.

Em dezembro, o MBL São Paulo recebeu uma denúncia que relatava a situação de uma ex-coordenadora da CEI Casa da Criança [uma das creches descredenciadas], a ex-coordenadora alegou que lhes foi dito [a ela e aos ex-funcionários] que seus salários referentes ao mês de outubro seriam debitados no início do mês de novembro, o que não ocorreu. E agora, a Secretaria da Educação afirma que os valores devem ser repassados ainda no mês de janeiro, um atraso de três meses em relação a primeira notificação. Entretanto, a data ainda não foi divulgada.

Para relembrar, em outubro de 2019, a gestão Bruno Covas (PSDB), decidiu exonerar gestores de 104 creches da cidade de São Paulo por suspeita de desvio de verbas e por falsificação de documentos por parte dos que mantinham as creches.

As investigações realizadas pela polícia apontam que os problemas mais evidentes encontrados foram desvios de encargos sociais de trabalhadores e falsificação de guia. É importante ressaltar que a nomeada “máfia” das creches, é suspeita de crimes como apropriação indébita, peculato, formação de quadrilha, ocultação de patrimônio e desvio de merenda das creches.

No início deste mês, mais três mantenedoras foram apontadas com irregularidades fiscais e foram substituídas, elas, somadas, administravam 12 creches na capital paulista.

Com isso, foi suspenso o pagamento realizado pela Secretaria Municipal da Educação destinado para as mantenedoras que pararam de atuar nas creches para que o valor chegue aos funcionários que esperam seus pagamentos.

Esperamos que este caso possa ser solucionado o mais breve possível, e que os funcionários que acabaram sendo “penalizados” de tabela por crimes realizados por mantenedores possam ter pelo menos o que é deles por direito.

Revisores: Rodrigo Vieira e Cynthia Capucho.

Fonte: G1