Sem Categoria
Insegurança em Brasília reflete no exterior

Governo dos Estados Unidos eleva o alerta para os turistas norte-americanos em regiões do Distrito Federal

15/01/2020 12h13 - Por Marcos Johnny

O aumento na criminalidade e violência nas regiões administrativas do DF elevaram o alerta de atenção do Departamento de Estado dos Estados Unidos.

Em nota oficial, o governo pede aos turistas norte-americanos que viajam para o Brasil que evitem visitar determinadas áreas do DF. As áreas mencionadas na nota citam as regiões de Ceilândia, Santa Maria, São Sebastião e Paranoá.

As determinadas regiões citadas foram avaliadas como nível 4: “não viaje”. A escala vai de 1 a 4. O alerta de segurança para o Brasil, de forma geral, é nível 2 (é preciso cautela). Sendo que os integrantes do governo dos EUA foram orientados a não viajar para as regiões administrativas.

A nota explica que: “Assaltos são comuns. Os funcionários do governo dos EUA são desencorajados a usar ônibus públicos municipais em todas as partes do Brasil devido ao risco elevado de assalto e agressão a qualquer hora do dia e, especialmente, à noite”.


Confira as recomendações do governo norte-americano para os turistas:

  • Esteja ciente de seu entorno;
  • Não resista fisicamente a nenhuma tentativa de assalto;
  • Tenha cuidado ao caminhar ou dirigir à noite;
  • Evite caminhar nas praias depois de escurecer;
  • Não exiba sinais de riqueza, como usar relógios ou joias caras;
  • Seja extremamente vigilante ao visitar bancos ou caixas eletrônicos;
  • Tenha cuidado nos principais centros de transporte ou nos transportes públicos, especialmente à noite.
  • Tenha mais cuidado ao caminhar em áreas isoladas;
  • Analise os Relatórios de Crime e Segurança no Brasil;
  • Prepare um plano de contingência para situações de emergência; e
  • Revise a lista de verificação do viajante.


Apesar de o alerta do governo norte-americano focar mais nas regiões de Brasília, a nota abrange todo o país. As chamadas favelas e cidades que fazem fronteiras com países latino-americanos, como Venezuela, Bolívia, Peru, Colômbia e Paraguai são alvos de extrema atenção.

“Nem as empresas de turismo nem a polícia podem garantir sua segurança ao entrar nessas comunidades”, afirma a nota.


Fonte: Metrópoles.