Rio Grande do Sul
Governo Leite assina parceria com BNDES para concessão de rodovias estaduais

Governo gaúcho firma parceria para a estruturação da concessão de mais de mil quilômetros de rodovias estaduais.

21/01/2020 23h21 - Por Renan Della Costa

O governador Eduardo Leite assinou, no dia 17 de janeiro, em mais uma etapa do programa RS Parcerias, o primeiro contrato para a estruturação da concessão de mais de mil quilômetros de rodovias estaduais – hoje a cargo do DAER e da EGR. O termo foi firmado com o BNDES, a quem caberá os estudos técnicos necessários.

Abaixo, segue a lista das rodovias administradas pela EGR , que poderão ter trechos inclusos na concessão, segundo informações do jornal O Sul :

– ERS-239; – ERS-122; – ERS-240; – RSC-287; – ERS-474; – ERS-040; – ERS-784; – ERS-115; – ERS-235; – ERS-466; – ERS-020; – ERS-130; – ERS-129; – RSC-453; – ERS-128; – RSC-135.

Em sequência, as rodovias citadas abaixo que estão sob os cuidados do DAER:

– ERS-020; – ERS-122; – ERS-129; – RSC-287; – ERS-446; – RSC-453; – VRS-813

Certamente , virão reclamações relacionadas ao fato de que será necessário pagar para trafegar. Recordar é viver: antes do programa de concessões de rodovias do Governo Britto (95-99), era comum que uma pessoa que fosse pegar a estrada questionasse a conhecidos que haviam feito o mesmo trajeto anteriormente sobre as condições da rodovia. Não era incomum ver pessoas que moravam a margem das rodovias tapando buracos com terra em troca de alguns trocados.

Tal situação acarretava diversos gastos com manutenção dos veículos, onerando os particulares e encarecendo o frete. Hoje, graças aos programas de concessões realizados em meados dos anos 90, tais situações não ocorrem mais. Entretanto, as rodovias gaúchas ainda passam vergonha ao serem comparadas com a Bandeirantes e a Anhanguera de São Paulo.

Vemos com bons olhos a iniciativa do Governo, pois vai a concessão de rodovias à inciativa privada por meio de parcerias público-privadas desonera o Estado, melhorando a vida dos contribuintes e reduzindo os custos dos empresários. Ademais, também estimula a geração de empregos e arrecadação do Estado e dos Municípios.